• Este grupo é para que os amantes e maragogipanos possam discutir a Cultura, Política, o Cotidiano, a História e a vida na cidade de Maragogipe. "Dubito, ergo cogito, ergo sum"

  • O blog Ecos da HIstória é um difusor da História de Maragogipe, além de questionador de ideias do senso comum e transmissor dos conteúdos históricos! Sinta-se na história.

  • Neste Canal do Youtube você pode acompanhar os vídeos produzidos por Zevaldo Sousa, além de outros clássicos da prudução cultural ligada a historia de Maragogipe.

  • Procurando a sua turma? Seus amigos e familiares? Procurando informações sobre sua cidade? Nesta página você encontra links para algumas comunidades e cidades do Recôncavo.

  • Nesta página você encontra links para álbuns fotográficos e os links para os três blogs de festas da cidade (Carnaval, Festas Juninas e a grandiosa Festa de São Bartolomeu)

  • Nesta página especial, o leitor poderá entrar em contato com a administração do blog, com colunistas, emitir opiniões, tirar dúvidas, questionar e enviar suas cartas e fotos.

sexta-feira, 27 de março de 2015

O SIFUPREMA (Sindicato dos Funcionários da Prefeitura de Maragogipe) conseguiu uma vitória, através da justiça, contra a Prefeitura de Maragogipe.

A Prefeitura de Maragogipe tinha suspendido o repasse mensal dos servidores para o sindicato e associações. O Sindicato dos Funcionários da Prefeitura de Maragogipe impetrou Mandado de Segurança contra a Prefeita do Município de Maragogipe alegando que esta teria deixado de descontar e repassar as parcelas mensais de seus associados, conforme Decreto Municipal nº 111/14.

Com essa vitória, a Prefeitura terá que efetuar o desconto e efetuar o repasse mensal ao sindicato, cumprindo assim, decisão judicial.


Confira o texto publicado no Diário Oficial da Justiça

QUARTA CÂMARA CÍVEL
PUBLICAÇÃO DE DESPACHOS E DECISÕES MONOCRÁTICAS
0004184-62.2015.8.05.0000
Agravo de Instrumento
Agravante: Município de Maragogipe
Agravante: Vera Lucia Maria dos Santos
Advogado: Targino Machado Pedreira Neto (OAB: 26199/BA)
Advogado: Edval Jorge dos Santos (OAB: 8194/BA)
Advogado: Lourenço Thiago Dias Ferreira (OAB: 22866/BA)
Agravado: Sifuprema-Sindicato dos Servidores da Prefeitura de Maragogipe
Advogado: André Luis Chaves Pereira Bomfim (OAB: 25948/BA)

DECISÃO MONOCRÁTICA
Trata-se de Agravo de Instrumento, com pedido de efeito suspensivo, interposto pelo MUNICÍPIO DE MARAGOGIPE e VERA LUCIA MARIA DOS SANTOS, contra decisão de fls. 11/13, proferida pelo MM. Juiz de Direito da Vara Cível da Comarca de Maragogipe que, nos autos do Mandado de Segurança nº 0000283-25.2014.805.0161, que é movido pelo SINDICATO DOS SERVIDORES DA PREFEITURA DE MARAGOGIPE SIFUPREMA, rejeitou os Embargos de Declaração opostos, por não estarem presentes as hipóteses do art. 535 do CPC. Em suas razões, alegam o Município Agravante e a Prefeita Municipal, Sra. Vera Lucia Maria dos Santos, que o Sindicato Impetrante, ora Agravado, não formulou nenhum pedido na petição inicial, e o MM. Juiz "a quo" recebeu-a, deferiu a medida liminar e determinou a notificação da autoridade coatora e do Município de Maragogipe. Assim, pugnam a Municipalidade e sua Prefeita pela concessão do efeito suspensivo ao recurso, e por fim, pelo provimento do Agravo de Instrumento, a fim de que seja reformada a decisão agravada para reconhecer a inépcia da petição inicial e indeferir a referida petição inicial pelos motivos expostos, determinando-se o arquivamento do feito, alternativamente e/ou sucessivamente, que seja determinado que o Juiz "a quo" antes de realizar qualquer ato processual nos autos de origem, decida sobre a arguição de inépcia da inicial devido à ausência de pedido meritório. É Relatório. Decido. O Agravo de Instrumento é tempestivo, presentes os demais pressupostos de admissibilidade, conheço do recurso. A situação dos autos se amolda à hipótese do art. 557, "caput", do Código de Processo Civil, merecendo a pronta atuação monocrática deste Relator. O Sindicato dos Servidores da Prefeitura de Maragogipe, ora Agravado, impetrou Mandado de Segurança contra a Sra. Prefeita do Município de Maragogipe, indigitada autoridade coatora, alegando que esta teria deixado de descontar e repassar as parcelas mensais de seus associados, conforme Decreto Municipal nº 111/14. O douto Juiz "a quo" recebeu a petição inicial, deferiu, em parte, a liminar requerida, e determinando a notificação dos Agravantes , fls. 191/193. Irresignados, os Agravantes opuseram Embargos de Declaração, arguindo a irregularidade da petição inicial, em razão da ausência de pedido, fls 218/224, os quais foram rejeitados pelo douto Juiz, por não vislumbrar obscuridade , contradição ou omissão na decisão recorrida. Dessa forma, os Agravantes interpuseram o presente Agravo de Instrumento , a fim de reformar a decisão que rejeitou os referidos Embargos. Pois bem, a decisão que acolhe ou rejeita Embargos de Declaração integra a decisão embargada, tendo como finalidade aclarar eventuais obscuridades, contradições ou omissões nela existentes. Não é cabível a reforma da decisão que rejeitou os Embargos de Declaração por meio do Agravo de Instrumento, a fim de impor ao Juiz de primeiro grau o reexame de questões agitadas como pretendem os Agravantes. O reexame somente seria possível pelo Tribunal "ad quem", caso houvesse recurso contra a decisão liminar proferida no "mandamus". Jamais, porém, através de mero ataque à decisão que rejeitou os Aclaratórios, mediante Agravo de Instrumento , incabível na espécie. A respeito do tema, NELSON NERY JÚNIOR e ROSA MARIA DE ANDRADE NERY, sustentam a possibilidade da interposição de novos Embargos de Declaração atacando vícios apontados nos primeiros embargos, enquanto os mesmos não forem sanados. ("Código de Processo Civil Comentado e legislação extravagante" 13ª edição, p. 1084, Editora Revista dos Tribunais, São Paulo, 2013). Assim, descabe a interposição do presente recurso, em suma, na medida em que os aclaratórios foram rejeitados por ausência de configuração das hipóteses previstas no art. 535 do CPC, circunstância que impede o reexame da matéria. A jurisprudência consagra a doutrina: "AGRAVO DE INSTRUMENTO. SEGURO . DECISÃO REJEITA EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. DESCABE INTERPOSIÇÃO DE AGRAVO DE INSTRUMENTO. Descabe a interposição de agravo de instrumento contra decisão que rejeitou os embargos declaratórios, em face da ausência dos requisitos do artigo 535 do CPC. AGRAVO DE INSTRUMENTO DESPROVIDO." (TJ-RS-AG: 70035822584 RS,Relator: Romeu Marques Ribeiro Filho, Data de Julgamento: 23/02/2011, Quinta Câmara Cível, Data de Publicação: Diário da Justiça do dia 28/02/2011) "AGRAVO DE INSTRUMENTO. DECISÃO. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO MANEJADOS NO JUÍZO SINGULAR . AUSÊNCIA DE OBSCURIDADE, CONTRADIÇÃO OU OMISSÃO. Em não se verificando da decisão embargada quaisquer das hipóteses previstas no art. 535 do CPC, de rigor o desprovimento do agravo manejado contra decisão que desacolheu os embargos. AGRAVO DESPROVIDO." (Agravo de Instrumento nº 70028317956, Décima Sexta Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Marco Aurélio dos Santos Caminha, Julgado em 19/03/2009) "PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO DE INSTRUMENTO CONTRA DECISÃO QUE REJEITA EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. CABIMENTO. Conforme reiterada jurisprudência desta Corte, não cabe agravo de instrumento contra decisão que rejeita embargos de declaração por não reconhecer os pressupostos previstos no artigo 535 do CPC. Hipótese em que o juiz, muito embora considerasse incabível o recurso por atacar decisão interlocutória, julgou o recurso. Agravo de Instrumento não conhecido. Unânime." (Agravo de Instrumento nº 70010263143, Décima Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Jorge Alberto Schreiner Pestana, Julgado em 14/04/2005). "Agravo de instrumento-interposição contra decisão que rejeitou embargos de declaração -Recurso incabível-A decisão que rejeita os embargos integra a decisão embargada, esta sim atacável mediante recurso-Agravo não conhecido." (TJ SP-Agravo nº. 1.227.141-02. Julgado em: 11/11/2008. Relator: Des. César Lacerda). "PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS-AÇÃO DE REPETIÇÃO DE INDÉBITO EM FASE DE CUMPRIMENTO DE SENTENÇA. Ausência de requisito intrínseco de admissibilidade recursal. qual seja. o cabimento-Não cabe agravo de instrumento de decisão que rejeitou liminarmente os embargos de declaração-Agravo não conhecido." (Processo: AG 1197508004 SP. Relator(a): Antonio Benedito Ribeiro Pinto. Julgamento: 23/09/2008). No mesmo sentido, decisão monocrática negando seguimento ao recurso, com fulcro no art. 557, "caput" do CPC, no Agravo de Instrumento nº 0006723-40.2011.805.0000-0, da lavra da eminente Desembargadora Gardênia Pereira Duarte, componente desta colenda Quarta Câmara Cível, datada de 08.08.20111, publicado DPJ de 10.08.2011. Se não bastasse, a decisão liminar proferida no Mandado de Segurança, como se lê às fl. 191/ 193, foi proferida em 15 de julho de 2014, mandado de intimação de cumprimento de liminar cumprido em 14 de agosto de 2014 (fl. 196 e verso), auto de cumprimento da liminar datado de 14 de agosto daquele mesmo ano (fl. 197), ciente a Sra. Prefeita, conforme certidão de mesma data (fl. 198 e verso). Logo, ainda que aplicável o disposto no art. 188 do CPC, de há muito já estaria extrapolado o prazo para oposição dos Embargos de Declaração. Todavia, é consideração que faço "en passant" pois o Embargos foram recebidos e julgados pelo douto Juiz que os rejeitou. De qualquer sorte, o fundamento deste decisório consiste na impossibilidade do manejo de Agravo de Instrumento contra decisão que rejeita Embargos de Declaração, como antes exposto. Portanto, os Agravantes utilizaram-se de meio inábil para combater a decisão atacada, porquanto o Agravo de Instrumento não pode ser utilizado para tentar modificar decisão proferida em Embargos de Declaração , e via absolutamente inócua. Por conseguinte, infrutífero o presente recurso que sustenta tese em confronto com a jurisprudência dominante no Superior Tribunal de Justiça e neste Tribunal de Justiça da Bahia. Do exposto, com fulcro no art. 557, "caput", do CPC, NEGO SEGUIMENTO AO AGRAVO DE INSTRUMENTO, mantendo a decisão interlocutória hostilizada em seus termos. P. I. SALVADOR, 25 de março de 2015. DES. JOÃO AUGUSTO A. DE OLIVEIRA PINTO RELATOR Salvador, 26 de março de 2015 João Augusto Alves de Oliveira Pinto
A Câmara de Vereadores de Maragogipe iniciou obras emergenciais de recuperação física da histórica Casa de Câmara e Cadeia de Maragogipe.

Devido ao aceleramento o processo de degradação que esse monumento vem sofrendo ao longo dos anos, a Câmara de Vereadores, por sua mesa Diretora, deliberou priorizar, dentro do planejamento estratégico da atual gestão, a execução de abras emergenciais, para evitar o iminente perigo de desabamento, bem como preservar a segurança dos usuários e garantir a funcionalidade administrativa e parlamentar desta Egrégia Casa.


Desta forma, o senhor Presidente, Vereador José Benedito, acompanhado de todos os Vereadores deste Município, estiveram presentes em audiência com o Superintendente do IPHAN na Bahia e, naquela oportunidade, conseguiram a devida autorização para a execução dos referidos serviços emergenciais, que serão custeados com recursos próprios da Câmara, conforme Processo nº 01502000634/2015-69, como ainda, efetivaram gestão para acelerar as obras constantes do Processo de revitalização de todo o monumento da casa da Câmara e Cadeia, inclusive com a construção de anexo, para funcionamento dos Gabinetes dos Vereadores, Projeto que integra as obras do PAC II.



O governo do Japão resolveu sair em defesa de suas empresas na crise dos estaleiros brasileiros. Em carta enviada na segunda-feira pelo ministro da infraestrutura japonês, Akihiro Ohta, ao ministro do Desenvolvimento, Armando Monteiro, são cobradas providências rápidas do governo brasileiro para "garantir a sobrevivência dos estaleiros". As empresas japonesas são sócias de três dos cinco estaleiros contratados pela Sete Brasil para a construção de sondas do pré-sal que serão usadas pela Petrobrás. Desde novembro, a Sete suspendeu todos os pagamentos, paralisando as linhas de produção e dificultando o acesso ao crédito. Somente para as empresas das quais os japoneses são sócios, a Sete deve R$ 1,3 bilhão, segundo a carta enviada ao ministro Monteiro. A principal medida requerida pelo governo japonês ao brasileiro é a liberação dos recursos do BNDES para que a Sete Brasil possa pagar os estaleiros. Além disso, pede que financiamentos de emergência sejam concedidos ou que pelo menos os prazos sejam alongados "a fim de evitar a falência dos estaleiros por inadimplência de pagamento salarial dos empregados e fornecedores".

A Embaixada do Japão no Brasil não quis comentar a forma como está negociando com o governo brasileiro, mas confirmou que o governo japonês está prestando "alta atenção às dificuldades do setor e nos estaleiros em que empresas japonesas fizeram investimentos". Informou ainda que tem pedido por "breves e satisfatórias soluções por parte do governo brasileiro". O Ministério do Desenvolvimento, por meio de sua assessoria de imprensa, informou que não comentaria a questão.

Logo na abertura da carta enviada ao ministro Monteiro, o ministro do Japão faz referência à Declaração Conjunta feita pela presidente Dilma Rousseff e pelo primeiro ministro do Japão, Shinzo Abe, durante visita oficial de Abe em agosto do ano passado. A declaração fazia referência à cooperação entre os dois países para desenvolver a indústria naval brasileira. "Os estaleiros japoneses fizeram investimentos para aprimorar a capacidade da indústria naval brasileira, despachando engenheiros e profissionais qualificados, o que tem contribuído grandemente para o desenvolvimento desta indústria", diz a carta. "Se esses estaleiros entrarem em falência, além da perda de empregos, as tecnologias e experiências relacionadas à construção naval que os empregados e profissionais assimilaram também desaparecem."

A primeira incursão dos japoneses foi em maio de 2012 quando a Kawasaki assinou com as construtoras Odebrecht, OAS e UTC para a formação do estaleiro Enseada, em Maragogipe. Em junho de 2013, a IHI Corporation, a Japan Gas e a Japan Marine United adquiriram participação no Estaleiro Atlântico Sul, das construtoras Camargo Corrêa e Queiroz Galvão. No mesmo ano, um consórcio liderado pela Mitsubishi assinou um contrato de investimento com a Ecovix (Engevix), que é dona do Estaleiro Rio Grande.

Todos estes estaleiros estão sem receber os contratos que mantém com a Sete, que teve sua crise financeira deflagrada com a Operação Lava Jato. Um de seus diretores fez acordo de delação premiada, revelando que os estaleiros teriam pago propinas para fechar contratos. Este foi um dos motivos que levou a paralisação do processo em que seriam liberados US$ 3,1 bilhões pelo BNDES para financiar o projeto. 

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

quinta-feira, 26 de março de 2015


Aconteceu nesta quarta-feira, 26 de março, na Casa do Benin, Centro Histórico de Salvador, uma cerimônia de doação de 1.400 livros da Enseada Indústria Naval para a Fundação Gregório de Matos (FGM) – órgão municipal responsável por fomentar a cultura na capital baiana. O material doado será entregue para bibliotecas comunitárias e municipais de Salvador e é fruto de um extenso trabalho de pesquisa antropológica feito pelo professor Vilson Caetano sobre os quilombos de Maragojipe e Cachoeira, no Recôncavo Baiano. Estiveram presentes no evento representantes das bibliotecas, da FGM, Enseada, Odebrecht, Fundação Palmares e do Plano Municipal do Livro, da Leitura e da Biblioteca (PMLLB).

“É uma imensa felicidade celebrar este ato. Esses livros, belíssimos, são a materialização de histórias dos povos quilombolas e a garantia da permanência da nossa cultura, além de serem também resultado de uma das condicionantes do processo de licenciamento do estaleiro. Falar de África e quilombo não é apenas falar de candomblé. Nossa maior tarefa hoje é romper as barreiras do racismo, por isso publicações como essa são extremamente importantes. Já estudei em biblioteca comunitária e sei que um material desse tipo é valoroso para a comunidade”, revelou Fábio Santana, representante da Fundação Cultural Palmares na Bahia.

Segundo a presidente do PMLLB, Lourdes de Fátima Santos Pinto, quase 500 escolas e bibliotecas receberão os livros, o que representa aproximadamente 20 mil alunos contemplados com o material. “É louvável quando a iniciativa privada assume ações de pertencimento à nação africana, porque reafirma e legitima a identidade afro-brasileira. Esses livros são um elemento cultural único fruto de uma pesquisa feita por baianos, na Bahia e para a Bahia”, ponderou a presidente.

Dupla celebração

A cerimônia de doação de livros contou com uma contação de histórias pela professora e historiadora Iray Galrão, que atraiu os olhares de cerca de 50 crianças da Escola Luiza Mahin, do bairro do Uruguai em Salvador. A história Maria & Maria, do quilombo do Girau Grande, foi a escolhida para entreter o público e faz parte da coleção composta por sete contos infantis que foram entregues à FGM. Essa atividade fez parte da programação do Festival da Cidade, que comemora os 466 anos de Salvador.

De acordo com o presidente da Fundação, Fernando Guerreiro, o trabalho feito pela Enseada é uma preservação da cultura quilombola com possibilidade de propagar a tradição oral dos quilombos. “Esse conteúdo das histórias dos livros está ganhando vida e futuramente pode, por exemplo, virar peças teatrais”, comentou o presidente que enfatizou a relação que a Bahia tem com a África, pois a maioria dos escravos que vieram para o Estado era do Benin. O espaço onde ocorreu o evento é um casarão tombado pelo como patrimônio histórico pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e foi reinaugurado, em 2006, depois de uma reforma feita pela Odebrecht como parte de sua política de responsabilidade social.

Outras doações

A Enseada recentemente doou 7.130 exemplares dos contos quilombolas para a Secretaria de Educação de Cachoeira. Os livros têm sido entregues a crianças das escolas em comunidades quilombolas da região e nos espaços de leitura das demais instituições de ensino do município. Essa foi a segunda doação de livros feita à Secretaria. Em 2013, durante a Festa Literária Internacional de Cachoeira (Flica), 2.600 exemplares foram entregues ao município.

O gerente de Comunicação Externa da Enseada, Marcelo Gentil, durante a cerimônia de entrega dos livros na Casa do Benin, reafirmou o compromisso do empreendimento em preservar as tradições culturais do Recôncavo, bem como os saberes e fazeres do povo quilombola. “Nos preocupamos com a comunidade que está no entorno do estaleiro. Somos uma indústria e temos consciência de que podemos contribuir para a melhoria da região e a educação é um dos pontos chave para isso”, disse o gerente.

Os livros produzidos são destinados a escolas privadas e públicas (municipais e estaduais) e também a escolas quilombolas, em atendimento à Lei n. 10.639, que torna obrigatória a inclusão da disciplina História e Culturas Africanas e Afro-brasileiras na grade curricular de todas as escolas de ensino fundamental, básico e médio do país. Os títulos foram lançados na Festa Literária Internacional de Cachoeira (Flica). No total, já foram doados/distribuídos cerca de 60 mil livros.


A agência de classificação de riscos Fitch Ratings rebaixou a nota de crédito da Galvão Participações e da Galvão Engenharia de "CCC" para colete", depois que as empresas entraram com pedido de recuperação judicial, após não conseguirem renegociar a dívida com seus credores.

O grupo vem enfrentando dificuldades relevantes em obter financiamento para operar, pagar fornecedores e melhorar seu perfil de dívida, devido às acusações envolvendo a Operação Lava-Jato, que dificultaram a obtenção de crédito.

Fonte e mais informações Valor Econômico.

A agência de classificação de riscos Standard & Poor's rebaixou o rating da Sete Brasil de "B-" para "SD" (que significa "Calote Seletivo"). O rebaixamento aconteceu após a empresa deixar de pagar um empréstimo de 250 milhões de dólares tomado com o banco Standard Chartered.

Ao mesmo tempo, a Standard & Poor's rebaixou o rating em escala nacional da emissão de 1,85 bilhões de reais em debêntures de "B-" para "CCC". 

Na sexta-feira, a Sete Brasil confirmou que o Standard Chartered Bank encaminhou notificação de solicitação de pagamento ao Fundo Garantidor da Construção Naval, fiador do crédito.

Veja mais informações no site Valor Econômico.

A Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) aprovou, na manhã desta quarta-feira, dia 25 de março, a realização de audiências públicas com os ministros de Minas e Energia, Eduardo Braga; dos Transportes, Antonio Carlos Rodrigues; e da Secretaria de Aviação Civil, Eliseu Padilha. Os representantes do Executivo vão esclarecer os planos e prioridades de seus respectivos setores para o ano de 2015. O primeiro a abrir a série de audiências será Eduardo Braga, com reunião já agendada para o dia 8 de abril.

Também serão ouvidos pela comissão os presidentes da Petrobras, da Sete Brasil e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Petrobras e BNDES
O novo presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, também vai se reunir com a Comissão de Infraestrutura. Com a companhia mergulhada em escândalos de corrupção, os senadores querem saber como ele pretende tirá-la deste momento difícil e fazê-la voltar a crescer.

Foi aprovado ainda requerimento para audiência com o presidente da empresa Sete Brasil, Luiz Eduardo Guimarães Carneiro. Segundo o senador Ricardo Ferraço, a Sete é uma grande participante do polo naval brasileiro e não vem honrando compromissos.

Ferraço afirmou que os estaleiros Atlântico Sul, Enseada do Paraguaçu, Rio Grande, Keppel Fels e Jurong estão sem receber da Sete Brasil desde novembro e a dívida já soma mais de R$ 1,5 bilhão. Esta semana, a Standard & Poor’s rebaixou os ratings da Sete Brasil de B- para SD, calote seletivo, com a justificativa de que a empresa teria optado por não pagar dívidas com o banco Standard Chartered, no valor de US$ 250 milhões.

— A Sete Brasil demandou bilhões de dólares em produtos e serviços a estaleiros em todo o Brasil. E os contratados não estão recebendo pelos serviços prestados — afirmou o parlamentar, que lembrou o fato de a Sete ser parceira da Petrobras na exploração do pré-sal e de também estar sob investigação da operação Lava Jato.

Completará a lista de convidados para audiências da CI o presidente do BNDES, Luciano Coutinho. A pedido do senador Lasier Martins (PDT-RS), ele deve esclarecer aos parlamentares os critérios para a liberação dos empréstimos concedidos pelo banco à Sete Brasil.

"Em ambiente de escassez de recursos, os critérios tornam-se ainda mais relevantes. E não temos informações a respeito dos resultados obtidos com essa política de concessão agressiva de financiamentos", argumentou o parlamentar ao justificar seu pedido.

Os requerimentos aprovados pela CI nesta quarta-feira:

Veja mais no site do SENADO.

quarta-feira, 25 de março de 2015


Realizada na manhã desta quarta-feira (25), na Casa da Cultura, a Conferência Inicial para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico apresentou o panorama do município de Maragogipe hoje.

O objetivo do Plano Municipal de Saneamento Básico (PMSB) consiste na universalização dos serviços de abastecimento de água, esgotamento sanitário, limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos e drenagem e manejo de águas pluviais urbanas.

O plano parte de uma visão participativa, visando o envolvimento de diferentes atores na sua elaboração, incluindo a participação direta dos gestores públicos, sociedade, acadêmicos, equipes técnicas e demais agentes do saneamento.

A elaboração do PMSB é composta por diversas etapas, entre elas o diagnóstico das áreas, que será realizado através de oficinas participativas nos dias 07 e 08 de abril. Participaram desta Conferência Inicial o secretário de Governo do município e coordenador executivo do PMSB, Gilberto Sampaio; o engenheiro e coordenador técnico do PMSB, Altair Ferreira; Nadjena Miranda, socióloga que apresentou como o PMSB será construído; entre outros.

Fonte: Ascom / Maragogipe

terça-feira, 24 de março de 2015


A 5ª edição do Projeto Evangelístico Marcha Para Jesus em Nagé, distrito do município de Maragogipe segue a todo vapor. Neste ano, o evento acontecerá no dia 04 de abril, e terá as seguintes atrações: Marcos Antônio, Ministério Louvai, além da cantora Adriana, a Banda Hc3, Edicarlos e o preletor Pr. Márcio Cerqueira.

O idealizador do projeto evangelístico, Robson Santos Seixas, destaca o apoio que tem tido das Igrejas Cristãs e até mesmo de amigos não evangélicos que entenderam a dimensão do projeto e acabaram abraçando a causa. "Muitas vidas estão sendo transformadas através deste trabalho", afirma.

segunda-feira, 23 de março de 2015


Acontece nesta quinta-feira, dia 26 de março, a V Conferência do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, a partir das 9h, na Casa da Cultura.

As inscrições para participar da V Conferência vão de 23 a 25 de março, na sede da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, localizada na Rua General Pedra, no Porto Grade. No dia do evento, as inscrições poderão ser realizadas até às 9h, na Casa da Cultura.

O tema da V Conferência Municipal do CMDCA é “Planos Decenais dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes: Fortalecendo os Conselhos de Direitos”.

Fonte: Ascom / Maragogipe

Pesquisar

    Sou cidadão e fiscalizo!!!

    Google+

    Minha lista de blogs