• Este grupo é para que os amantes e maragogipanos possam discutir a Cultura, Política, o Cotidiano, a História e a vida na cidade de Maragogipe. "Dubito, ergo cogito, ergo sum"

  • O blog Ecos da HIstória é um difusor da História de Maragogipe, além de questionador de ideias do senso comum e transmissor dos conteúdos históricos! Sinta-se na história.

  • Neste Canal do Youtube você pode acompanhar os vídeos produzidos por Zevaldo Sousa, além de outros clássicos da prudução cultural ligada a historia de Maragogipe.

  • Procurando a sua turma? Seus amigos e familiares? Procurando informações sobre sua cidade? Nesta página você encontra links para algumas comunidades e cidades do Recôncavo.

  • Nesta página você encontra links para álbuns fotográficos e os links para os três blogs de festas da cidade (Carnaval, Festas Juninas e a grandiosa Festa de São Bartolomeu)

  • Nesta página especial, o leitor poderá entrar em contato com a administração do blog, com colunistas, emitir opiniões, tirar dúvidas, questionar e enviar suas cartas e fotos.

sábado, 6 de fevereiro de 2016

Por Zevaldo Sousa


Pare! A vela está apagada, mas nossas Almas resistem! Nossa cultura resiste. Nosso Samba de Roda resiste. Nossa arte e nossa poesia resiste. Nossa literatura e musicalidade resiste. Somos guerreiros de braços fortes e invencíveis. Podemos até perder algumas batalhas, mas não perderemos a guerra. Um debate cultural é necessário na Cidade da Cultura. Parabéns aos fantasmas da noite! Maragogipanos que insistem em dizer. Nossa cultura não vai morrer! 


O Carnaval Imaterial do Estado da Bahia deste ano de 2016 está merecendo especial atenção, pois ele consegue chegar ao ápice daquele modelo que já prevíamos estar fadado ao fracasso. Sua midiatização e turistificação sem modernização do setor de serviços (valorização dos artistas locais, informação ao turista, conhecimento da história e da cultura maragogipana, modernização dos serviços de hotelaria, setor alimentício e de lazer, além do setor de mobilidade urbana e reforma de estradas) acabam por afastar, inclusive, o próprio maragogipano. A cidade é carente de serviços que atendam as necessidades dos visitantes e não existe nenhuma política de incentivo a inovação e a criatividade no comércio local.


Quanto às Almas, manifestação que acumula 60 anos de pura história mantém-se firme apesar de todo impacto cultural. Nascida de uma brincadeira dos antigos funcionários da antiga fábrica Suerdieck, como relata o professor Benedito Jorge Carneiro de Carvalho. O Bloco das Almas merecem destaque e ontem, a partir da meia noite do dia 06 de fevereiro, dois blocos passearam pelas ruas da cidade. Antes, por volta das 08 horas da noite, do dia 05 de fevereiro, um bloco infantil passeou pela Praça 'assustando' as pessoas que estavam no local. 


A vida é assim. Cheia de altos e baixos. Tem ano que tudo está bem organizado e divulgado, atraindo público e criando um clima festivo na população, tem ano que a festa vem e vai e ainda ficamos a procurá-la. Esperamos que não seja desta vez.

Um poste localizado na ladeira São Bartolomeu, em Maragogipe, sofreu um impacto nesta semana e necessita ser trocado pelos técnicos responsáveis, pois está correndo o risco de cair. 

Comunicamos a COELBA, através do protocolo 8072938168, e número de reclamação 20515 e estamos aguardando a troca do referido poste para evitar que um acidente pior aconteça nesta área de intensa passagem de veículos e pedestres.

Como esta é uma área de intenso movimento, recebemos o pedido que comunicássemos a toda a comunidade para que evitassem passar pelo local até a resolução do problema. Vale lembrar que é dever da Prefeitura de Maragogipe e da Guarda Municipal avisar aos transeuntes e motoristas sobre os riscos de acidentes do poste. Aguardamos a troca imediata do poste pelos técnicos da COELBA.


Por Zevaldo Sousa


Neste início de semana, no dia 01 de fevereiro, fui na Casa da Cultura fazer visita na Biblioteca Odilardo Uzeda Rodrigues com objetivo de realizar uma pesquisa, todavia, o estado deplorável que se encontrava o local me fez ir embora sem realizar referida a pesquisa. Hoje, dia 06 de fevereiro, visitei mais uma vez o local somente para conferir, e ainda existia alguns bonecos como demonstra as fotos.


Ao invés da Biblioteca ser apenas deposito de conhecimento e cultura, ela está servindo de depósito de bonecos durante este período carnavalesco. Bonecos estes que servem de enfeites para o Carnaval. Mas, diga-se de passagem, o local onde estão armazenados estes bonecos é inadequado pois é um espaço público que deve servir para que cidadãos maragogipanos e visitantes pesquisem sobre variados assuntos e o que considero mais importante, deveria servir para a divulgação e o compartilhamento de informações sobre a História de Maragogipe.

Nesta Biblioteca atual (dia 06 de fevereiro de 2016), encontramos muitos livros rasgados, desatualizados e velhos e nos perguntamos, como muitos turistas nos pergunta: O que falta para que a Prefeitura invista em material atualizado e dinâmico para este órgão que merece todo o destaque da sociedade maragogipana? Como um cidadão que se respeita visitará um espaço que não contempla a história de sua cidade, nem muito menos dá oportunidade para que a juventude sinta parte integrante do processo de construção do conhecimento? Onde podemos conhecer a história do município?


Hoje, agradecemos a Enseada pela doação dos livros que a atual prefeita, destruidora da cultura local, recebeu das mãos do representante da empresa e aguardamos que realmente estes livros cheguem na Biblioteca, pois lembro que em 2014, esses livros foram doados para a Prefeitura de Maragogipe e a Biblioteca não recebeu nenhuma doação. 

Desta vez, vamos ficar em cima para que estes livros realmente cheguem naquele espaço de cultura e torcemos para que a atual prefeita, pelo menos nestes últimos dias deste ano, sensibilize-se e adquira novos livros e material para aquele espaço de cultura, que em minha opinião, deveria ser somente de CULTURA e não servir de depósito, nem muito menos, servir de Secretaria de Cultura.

Desde quando iniciei o Blog, em 2007, reclamo que a Casa da Cultura deixou de ser um espaço cultural com a Instalação da Secretaria de Cultura naquele espaço.

Os frequentadores da Biblioteca Odilardo Uzeda Rodrigues, em Maragogipe, agora podem contar com um acervo completo dos títulos literários lançados pela Enseada Indústria Naval. Durante reunião em Salvador nesta quarta-feira (03 de fevereiro), a prefeita Vera Lúcia dos Santos (cortada em repúdio a todos os cortes do Carnaval de Maragogipe. Cultura se faz em todos os níveis!) recebeu do diretor de Relações Institucionais da Enseada, Humberto Rangel, um kit com 20 livros que, em sua maioria, abordam temas relacionados à cultura quilombola, resíduos, ética, consumo consciente, patrimônio cultural e ética.

Em 2014, mais de 5 mil exemplares foram doados tanto para a Secretaria de Educação do Município quanto para as comunidades quilombolas. “A prefeitura de Maragogipe agradece ao estaleiro pela doação que tanto contribui para a população do município, especialmente para as nossas crianças”, afirmou a prefeita. Para ler o ofício com a descrição dos títulos doados.



A cidade de Cachoeira também foi beneficiada com a doação de publicações. Entre 2013 e 2014, 7.130 exemplares foram entregues à Secretaria de Educação, que fez a distribuição entre as crianças das escolas em comunidades quilombolas e nos espaços de leitura das demais instituições de ensino do município.

Na Casa do Benin, Centro Histórico de Salvador, uma cerimônia marcou a doação de 1.400 livros para a Fundação Gregório de Matos (FGM) – órgão municipal responsável por fomentar a cultura na capital baiana. O material doado foi entregue para bibliotecas comunitárias e municipais de Salvador. Na oportunidade, o representante da Fundação Cultural Palmares na Bahia, Fábio Santana, disse que a celebração do ato era uma imensa felicidade. “Esses livros, belíssimos, são a materialização de histórias dos povos quilombolas e a garantia da permanência da nossa cultura. Já estudei em biblioteca comunitária e sei que um material desse tipo é valoroso para a comunidade”, revelou Fábio.

A confecção dos livros é uma iniciativa da Enseada, que tem como objetivo imortalizar as histórias contadas nos terreiros dos quilombos de Maragogipe e Cachoeira, cidades que formam a Área de Influência Direta e Indireta do empreendimento.Os livros produzidos são destinados a escolas privadas e públicas (municipais e estaduais) e também a escolas quilombolas, em atendimento à Lei n. 10.639, que torna obrigatória a inclusão da disciplina História e Culturas Africanas e Afro-brasileiras na grade curricular de todas as escolas de ensino fundamental, básico e médio do país.

Fonte: Navegando Juntos

Obs. 1: O corte é um grifo nosso, a Enseada desconhece este ato nosso, mas atualmente, esta prefeita não merece crédito a favor da cultura local, pois só faz destruir.

Obs. 2: A Enseada é extremamente preocupada com a cultura local e com a preservação sociocultural sendo assim, parabenizamos toda a equipe pela doação e divulgação deste ato.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Por André Bomfim

Diferente da licitação que contrataria 04 veículos automotores que foi publicada no dia 15 de janeiro e logo após revogou o edital, a Câmara Municipal de Maragogipe, publicou no dia 02 de fevereiro várias licitações para o presente ano, e dentre os certames previstos está a contratação de 06 (seis) veículos automotores (Nº 010/2016). A licitação ocorrerá no dia 17 de fevereiro (quinta-feira), às 16 horas, no próprio prédio da Câmara Municipal. 

Aguardo a presença dos maragogipanos interessados, afinal de contas, o ato é público e ninguém pode nos proibir de assistir. Vamos fazer nosso papel, vamos acompanhar, vamos fiscalizar! Eu estarei presente e você?

Clique nas imagens para ampliar.




Além dos veículos automotores, a Casa Legislativa também realizará licitação para o fornecimento de combustível para a manutenção das atividades da Câmara Municipal (Nº 009/2016), licitação para aquisição de material de expediente (Nº010/2016), licitação para contratação de empresa criação de site e para manutenção do sistema operacional de informática da Câmara Municipal (011/2016), e licitação para aquisição de material de consumo, limpeza e gêneros alimentícios (001/2016). Todas a serem realizadas no prédio da Câmara Municipal, no dia 17 de fevereiro.

Já faz algum tempo que a Prefeitura de Maragogipe não corta os grupos de Samba de Roda do carnaval maragogipano. A última vez, aconteceu nos três últimos anos do Governo do ex-gestor Silvio José Santana Santos (Confira a Programação 2010, 2011 e 2012 - onde prevaleceram as marchinhas, o pagode, o samba reggae e o axé, em 2009, grupos de samba de roda do município estavam bem representados). Os três primeiros anos do Governo da atual prefeita Vera da Saúde (Confira a Programação 2013, 2014 e 2015) variados grupos de Samba de Roda fizeram a festa dos amantes do ritmo. Vale dizer que Samba e Carnaval tem tudo haver. Tanto na Bahia, quanto no Rio de Janeiro. Em 2016, os grupos de Samba de Roda foram cortados da programação.

Na Bahia, em especial, durante muito e muito tempo, o Samba de Roda foi e ainda é o ritmo que encanta a população e os visitantes, além de ser uma manifestação cultural Patrimônio da Humanidade e ainda vale lembrar que ninguém valoriza o que não se conhece. Vale ressaltar que esse ritmo foi praticamente ignorado dos estudos do IPAC com apenas uma citação:
"O Carnaval de Maragojipe se destaca pela peculiaridade do uso de máscaras, alegorias e bandas de sopro. As músicas dos carnavais antigos são executadas no palco principal, grupos de samba se apresentam e, o mais importante, o sentimento que todo maragojipano tem quando se refere ao carnaval. Para eles, trata-se de uma tradição que deve permanecer na sua essência, espontânea, singular." (Pág. 42, no livro do Carnaval de Maragogipe - IPAC)
Não obstante, os estudos do IPAC deram destaque apenas às marchinhas carnavalescas que encantaram todo o Brasil e o Mundo. A crítica que sempre fiz foi a superficialidade do documento que ainda necessita de muitos estudos para abranger o iceberg cultural que existe na nossa festa carnavalesca. Aliás, vale ressaltar que as marchinhas carnavalescas maragogipanas continuam sendo desvalorizadas, pois do que adianta realizar um Concurso de Marchinhas se não existe a possibilidade de escutá-las ao longo da história? Essas marchinhas maragogipanas, praticamente morrem logo após aquele momento do concurso. Triste realidade.

Mas voltando ao assunto Samba de Roda, é preciso ressaltar a sua importância, pois enquanto alguns grupos elitizados curtiam as famosas marchinhas carnavalescas nos salões dos clubes, a cultura popular do samba de roda fervia nos arrabaldes da cidade, nos distritos e cercanias. Aquela instrumentália toda que, ao ser unida à musicalidade europeia das filarmônicas, num sincretismo fenomenal, deu origem a um ritmo diferenciado promovido atualmente pela belíssima charanga carnavalesca maragogipana. Sem o Samba de Roda e suas diferenciadas marcas e ritmos africanizados nossa cultura carnavalesca não seria tão ativa e diversificada. Digna de ser imaterializada.

O nosso carnaval tem múltiplas facetas. Dentre elas, a nossa belíssima cultura musical popular que precisa ser respeitada em seu máximo esplendor. Se o Samba de Roda é imaterializado no âmbito mundial, devemos valorizá-lo.

Saliento a necessidade de repensarmos cada vez mais a diversidade do Carnaval de Maragogipe, não podemos fechar os olhos para a nossa tradição, cultura e história. Um compromisso precisa ser firmado entre a população, os grupos culturais e o poder público no Plano Municipal de Cultura. Neste plano, precisamos definir e delimitar quais espaços culturais as nossas manifestações devem ser promovidas, para evitar que alimentemos sonhos tão logo enterrados em desilusões. Para permitir que a Cultura local seja promovida em toda sua essência.

O debate é sadio e deve ser promovido por todos. Mas não posso deixar de finalizar este texto, sem exigir, e como cidadão, afirmo que desejamos uma verdadeira participação popular e não participações falaciosas que representam apenas meros números nos esquemas do governo.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou mais um edital de seleção neste início de 2016. Desta vez, sob a responsabilidade técnico-organizacional da experiente Cesgranrio, foi aberto concurso simplificado para o preenchimento de 1.409 vagas temporárias pelo país. O regulamento n° 01/2016 informa que as oportunidades são para candidatos que possuam níveis médio ou superior.

As contratações provenientes desta seleção suprirão a demanda necessária para realização do Censo Agropecuário 2016. As vagas estão distribuídas da seguinte forma: 223 vagas para a função de Analista Censitário (AC), distribuídas pelas capitais dos 26 Estados e no Distrito Federal; 700 vagas para Agente Censitário Administrativo (ACA), também para os 26 Estados e para o DF; e 486 vagas para função de Agente Censitário Regional (ACR), que atuarão em 459 municípios de 24 Estados. O edital prevê a reserva legal de 5% do total das vagas para pessoas com deficiência e de 20% para pretos e pardos.

Inscrições e Seleção IBGE 2016

As inscrições devem ser feitas via internet, até 22 de fevereiro de 2016, na página da Fundação Cesgranrio - www.cesgranrio.org.br. A taxa de participação está fixada em: R$ 120,00 para a função de Analista Censitário; R$ 35,00 para Agente Censitário Administrativo; e de R$ 50,00 para Agente Regional.

As provas objetivas ocorrerão na data prevista de 22 de maio de 2016 e terão duração de quatro horas (das 13h às 17h no horário de Brasília), com divulgação de gabarito no dia provável 24 de maio.

Os candidatos devem conferir a primeira retificação publicada, referente aos requisitos para algumas áreas, a atualização de conteúdos programáticos e outras alterações.

Saiba mais em Concursos no Brasil

O Instituto Nacional do Seguro Social - INSS está recebendo inscrições para o concurso público de edital nº 1/2015, que preencherá 950 vagas para os cargos de Analista do Seguro Social e Técnico do Seguro Social. A execução da seleção está sob a responsabilidade do Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe), que utiliza o sistema Cespe de avaliação.

O salário é de R$ 4.886,87 para Técnico, que requer o nível médio, e de R$ 7.496,09 para Analista, com exigência de nível superior em Serviço Social. Do total de vagas, 800 são para Técnicos e 150 para Analistas, ambos com jornada semanal de 40 horas. Estão previstas as reservas de vagas para negros (20%) e para candidatos com deficiência (5%).

INSCRIÇÃO CONCURSO INSS

As inscrições para o concurso INSS prosseguem abertas no site do Cespe (http://www.cespe.unb.br/concursos/inss_2015), até as 23h59min do dia 22 de fevereiro de 2016, considerando o horário de Brasília.

No ato da inscrição, o candidato deverá optar pelo cargo/gerência-executiva a que deseja concorrer e por uma cidade de realização de provas, não sendo permitida a sua alteração após efetivada a inscrição.

Candidatos que encontrarem eventuais dificuldades de acesso à página de inscrição devem continuar tentando ou contactar diretamente o Cespe, pelos canais de atendimento.

A taxa de inscrição custa R$ 80,00 para cargos de nível superior e de R$ 65,00 para nível médio. Os candidatos que tiverem direito a isenção de pagamento da taxa de inscrição deverão preencher requerimento durante o período de inscrição regular (confira os critérios no edital).

Leia mais em Concursos no Brasil

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Cornélio (Foto: Maragogipe 24 horas)

O Carnaval de Maragogipe, a 133 quilômetros da capital, no Recôncavo baiano, tem grande tradição na Bahia, existindo há mais de um século. A festa possui forte riqueza cultural, com grande expressividade artística que pode ser notada por meio dos grupos de mascarados, das orquestras de marchinhas e de suas movimentações espontâneas.

A manifestação, reconhecida pelo Instituto do Patrimônio Artístico Cultural do Estado (Ipac), no ano de 2009, como patrimônio imaterial da Bahia, desde seu registro, tem ampla representatividade e, através disso, já foi levada a vários países por meio de intercâmbio cultural.

Este ano, de sábado a terça-feira (6 a 9 de fevereiro), a festa abrilhantará o cenário cultural do estado com o slogan ‘O Carnaval de Máscaras da Bahia’. O tema faz referência à cidade que neste período, se torna um verdadeiro baile de máscaras a céu aberto, divertindo foliões que chegam de todas as partes do Brasil e do exterior.

Maragogipe traz em seu Carnaval figuras e grupos pitorescos como o Cornélio, que sai às ruas com seu chapéu de chifre e sua indumentária rasgada, e o popular Bloco do Pau Mole (BPM), composto por foliões com idade de entre 60 e 80 anos, que desfilam pelas ruas da cidade acompanhados pelo som do agogô, e do surdo de mão, entoando diversas marchinhas carnavalescas.

Além das manifestações culturais, também serão realizados shows com diversos artistas e bandas, além de espaço para desfile de fantasias. Com uma ótima estrutura e segurança, o evento é destino certo para famílias e pessoas que preferem um ambiente mais tranquilo para brincar o Carnaval.

Fonte: Secom / Bahia

A prefeitura de Maragogipe divulgou a Programação do Carnaval 2016. Confira:

Palco Principal
06/02
19h - Simplesmente Iracema
21h - Jonas Esticado
23h - Cinho Silva

07/02
14h - Toté
16h - Lucas Miranda
18h - Zé Paulo
20h - Apimentada
22h - Amaury Quirino

08/02
14h - Pagode dos Amigos
16h - Axé pra Você
18h - Nando Borges
20h - Adão Negro
22h - É Massa É Dez

09/02
14h - Chiterê Bacana
16h - D'Brilho
18h - Bailinho de Quinta
20h - Kart Love
22h - Gera Samba

Praça dos Mascarados
07/02
15h - Orquestra Popular de Maragogipe
17h - Tatay Guerreiro e Orquestra
19h - Dica do Trio e Orquestra

08/02 
15h - Ikon Mathone e Orquestra
17h - João Guimarães e Orquestra
19h - Banda Som de Qualidade

09/02
15h - Ronaldo Luiz
17h - Orquestra Carnavalesca de Maragogipe
19h - Neuzinha Vieira e Orquestra

O Fotroca Bahia tem a honra de convidá-lo para a exposição fotográfica “Maragogipe, Carnaval de Máscaras Cores e Alegria”, da fotógrafa e jornalista Nazaré Araújo. A exposição é fruto de seis anos de registros da fotógrafa. O Carnaval de Maragogipe acontece todos os anos desde o século XIX, uma tradição que é cultivada ao longo dos anos pelos maragogipanos.

Um evento autêntico de máscaras, fantasias, cores, harmonia e alegria, são fotografias do carnaval mais veneziano na Bahia. A cidade de Maragogipe está localizada no Recôncavo Baiano, a região se destaca pelas infinitas manifestações populares. A exposição teve curadoria da fotógrafa paulista Lucille Kanzawa.

Os interessados em fotografia devem visitar as 40 fotografias na Casa de Cultura de Maragogipe, durante o mês de fevereiro, que tem o apoio da Prefeitura Municipal de Maragogipe, através da Secretaria de Cultura e Turismo.

Fotroca – O projeto tem como objetivo promove eventos periódicos entre amadores e profissionais da fotografia para troca de obras e experiências. Nos encontros, sempre gratuitos, os participantes levam uma fotografia de sua autoria, impressa em papel fotográfico no tamanho 20x30cm, expõe a foto no varal e em determinado momento acontece o sorteio das fotos, o objetivo é a interatividade entre os participantes. Os encontros acontecem nos mais diversos espaços públicos, em ruas, praças, parques e eventos de fotografia. Mais informações nas redes sociais.

Informações:(www.facebook.com/groups/fotrocabahia) e

(www.facebook.com/fotroca).

Exposição Fotográfica Maragogipe, Carnaval de Máscaras, Cores e Alegria
Local: Casa da Cultura de Maragogipe, Maragogipe (Bahia).
Abertura: 4/2/2016.
Horário: 19h.
Visitação: 4 a 20/2/2016.
Segunda a sexta-feira: das 8h às 12h e das 14h às 17h.
Obs: Aberto durante os finais de semana de carnaval

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Por Cidineia Barbosa

A primeira fase do saber é amar os nossos professores. (Erasmo de Roterdã)

Lembro que quando criança assim como tantas outras sentimos na pele as limitações sociais impostas pelo poder governamental para com a população carente. Nossos pais que tinham pouco conhecimento no processo de leitura e escrita, cansados por cumprir uma jornada de trabalho braçal que extrapolavam a limitação diária de acordo a Lei Trabalhista, dispunham dos seus poucos recursos financeiros para suprir nossas necessidades educacionais. Cuja ação lhes custavam muito caro! Pois o governo disponibilizava apenas o espaço, os mobiliários e os PROFESSORES, porém não contribuía para a inserção da criança na escola no que se refere a disponibilização de material pedagógico, fardamento, lanche e reforço escolar, que naquela época era de suma importância, já que não tínhamos o acesso a livros com tanta facilidade.

Por inúmeras vezes reutilizamos uniformes e livros usados de parentes e amigos, pois as condições não davam para comprar nem mesmo um pão para tomar café. Sem contar que o nosso lanche era pão seco, biscoito seco ou uma fruta que levávamos de casa. E quando algum aluno tinha um desses lanches era uma festa e chegava a dividir com outros colegas ainda mais carentes.

Apesar de todas as dificuldades tínhamos sonhos, perspectivas de vida. E ao observar nossos PROFESSORES chegarem à sala para nos ensinar, enxergávamos neles uma imagem de respeito e valorização nas diversas instâncias sociais.

E nós como bons observadores dizíamos constantemente: “QUANDO EU CRESCER QUERO SER PROFESSOR!”

Até nossos pais também tinham essa percepção e instigávamos a nos formar PROFESSOR, pois esta profissão era bastante cogitada, todos queriam ser PROFESSOR. Até para casar os PROFESSORES tinham seus méritos e reconhecimentos pelas famílias.

Atualmente o contexto mudou! E mudou de maneira radical!

Os PROFESSORES que antes eram respeitados atualmente são vistos como um mero serviçal, embora que este profissional acesse os conhecimentos superiores (Faculdades), no entanto não são valorizados como realmente deveriam ser.

Todos sabem que o PROFESSOR é o profissional imprescindível para a formação do indivíduo, e que contribui pedagogicamente para que este indivíduo se torne médico, advogado, engenheiro, dentre outras profissões importantes. Todavia embora que a esfera governamental tenha esses conhecimentos em relação a nossa atuação e relevância no campo formativo da sociedade, tentam de todas as formas nos inibir.

Existe um fator que me deixa intrigada é que na Data Comemorativa (15 de Outubro – Dia do Professor), as mídias governamentais fazem suas homenagens ao PROFESSOR.

Que lindo!! Que emocionante!! Adoro homenagem... Entretanto esqueceram que PROFESSOR tem VIDA e VIDAS.

VIDA a própria, a qual necessita constantemente realizar a sua manutenção psicossocial, e VIDAS por que ele necessita ser motivado para cuidar das nossas crianças e motivá-las a exercer esta profissão. Que numa previsão não muito distante, e se a esfera governamental não criar medidas que amenize esta problemática, a profissão de PROFESSOR será escassa, fator que dará margens para as máquinas “suprirem” a falta deste profissional.

Diante desta premissa e como sugestão, faz-se necessário que as instâncias governamentais revejam as suas ações procurando criar mecanismo que venham valorizar o PROFESSOR, além promover no educando as mesmas perspectivas que tínhamos quando criança: “QUANDO EU CRESCER QUERO SER PROFESSOR”!

Pesquisar

    Sou cidadão e fiscalizo!!!

    Google+

    Minha lista de blogs