Maragogipe: Previsão de Investimentos para Polo Industrial do Recôncavo alcança R$ 2 bilhões


O Polo Produtivo 2 de Julho foi lançado, nesta terça-feira, 26, pelo governador Jaques Wagner e representantes das empresas ASK Assessoria, OAS, Odebrecht, UTC Engenharia e Estaleiro Enseada do Paraguaçu (EEP).

O complexo industrial será implantado no município de Maragogipe, Recôncavo Baiano, abrigando empresas fornecedoras de matéria-prima e peças para o EEP e a indústria de óleo e gás do pré e pós-sal.

A previsão de investimentos alcança R$ 2 bilhões, a geração de oito mil empregos diretos e 12 mil indiretos.

O representante da ASK Assessoria (responsável pelo projeto), Carlos Castro, afirmou que uma dos fatores motivadores de implantação do Polo Produtivo é a grande demanda de equipamentos criada com a exploração da camada do pré-sal, calculada em US$ 400 bilhões para os próximos anos.

Castro citou estudos, segundo os quais, 33% de material para as cadeias de offshore e óleo e gás devem ser adquiridos no Brasil.

“Shopping industrial”

O complexo de Maragogipe será uma espécie de “shopping industrial” com uma empresa âncora, duas fornecedoras grandes e outras menores. A área escolhida para o polo, de 430 hectares, fica a cerca de dez quilômetros do Estaleiro Paraguaçu.

Conforme o governo da Bahia “as empresas que se instalarão no complexo serão selecionadas a partir da identificação das principais cadeias de produção e da infraestrutura a ser implantada na região. Assim, as indústrias que comporão o complexo serão forjarias, fundições, indústrias de metal mecânica, sistemas e fornecedores, produzindo módulos de acomodação naval, de processo de tratamento e outros, voltadas para o EEP”. O governo assumirá obrigações de fornecer a infraestrutura externa necessária para o desenvolvimento das atividades do polo, como água, esgoto, acesso.

O governador afirmou que a ideia de criar um complexo para servir o estaleiro surgiu há cerca de dois anos e visou adensar a industria naval da Baía de Todos os Santos.

“Estamos aproveitando o EEP para trazer para solo baiano toda essa área que é fornecedora de insumo. Uma plataforma de petróleo tem equipamentos que não saem da mesma fábrica. Muitas vezes o estaleiro, mal comparando com a indústria de automóveis, é uma montadora. E ai ela vai receber o motor de um lugar, o compressor de outro, enfim, são milhares de itens. Queremos que parte desses itens, de preferência os que tem mais tecnologia acoplada, possam ser produzidos aqui dentro. Com isso a gente agrega valores, melhora a competitividade do estaleiro baiano e aumenta a geração de empregos”, disse. Wagner afirmou que ele fará o “trabalho político- institucional” de “trazer empresas de fora que queiram, com as condições oferecidas, passar a produzir aqui”.

Prazos

Em relação a prazos, o governador disse que a preparação do local deve começar logo. “Terraplanagem, uma ferrovia de oito a 12 quilômetros para levar material até a área da água, da Baía de Todos os Santos, isso tem que começar agora, pois não tem como oferecer a uma empresa vir se instalar aqui se não tem a fotografia da estrutura montada. Isso é investimento das empresas”, disse Wagner.

“A nossa parte é apressar licenciamentos, autorizações, seguramente terá algum investimento público para ajudar na infraestrutura, mas é uma condição privilegiada, pois são apenas 12 quilômetros, sem limitação aérea”, afirmou.

O governador alertou, por outro lado, que a assinatura do protocolo equivale a um condomínio. “É quase quando você faz uma incorporação. Na verdade os protocolos que vão pesar serão os protocolos com os fabricantes que resolverem vir para cá. Acho que é uma coisa para começar a ter gente produzindo lá em 2016″.

Fornecedores

O diretor do EEP, Humberto Rangel, disse ser importante para o projeto da dimensão Estaleiro Paraguaçu (investimento de R$ 2,6 bilhões em implantação), a consolidação de uma cadeia de fornecedores.

Ele destacou que a proximidade de industrias fornecedoras é fator de diminuição de custos para o estaleiro.

Fonte: A Tarde e Estaleiro Enseada do Paraguaçu

Comentários