População de Salinas sofre com os transtornos do Estaleiro Enseada do Paraguaçu


Após décadas de esquecimento, alguns municípios do Recôncavo Baiano já sentem os impulsos positivos por conta da construção do Estaleiro Enseada do Paraguaçu (EEP) no distrito de São Roque, localizado em Maragogipe, na Bahia. O grupo formado pelas empresas Odebrecht Participações e Investimentos S.A., a OAS Investimentos S.A. e a UTC Participações S.A. Em 2012, a Kawasaki Heavy Industries Ltda. é o responsável pela implantação do EEP.

Com previsão de conclusão em 2014, serão construídos na unidade seis navios-sonda de perfuração offshore, do contrato firmado em 2012 com a Sete Brasil, no valor global aproximado de US$4,8 bilhões. Obra teve um investimento privado de R$ 2,6 bilhões, e deve gerar cerca de 15 mil empregos diretos e indiretos.



População de Salinas sofre com transtornos do Estaleiro Enseada do Paraguaçu
Foto - Leitor do Bocão News (14)

No entanto, apesar das boas expectativas que a construção do EEP traz, municípios como Salinas das Margaridas ainda não sentem o impacto positivo da indústria naval. Uma das reclamações de moradores da cidade, que entraram em contato com o Bocão News, é que o antigo prefeito Wilson Ribeiro Pedreira, trouxe prejuízos para a cidade quando apenas doou um terreno para o EEP para aterro sanitário. Além disso, outros também denunciaram os estragos que estão sendo feitos nas estradas nas estradas de Salinas e Maragogipe. A prostituição infantil, praticada por alguns motoristas de caminhão, também esteve na pauta de reivindicações.

População de Salinas sofre com transtornos do Estaleiro Enseada do Paraguaçu
Foto - Leitor do Bocão News (25)

Consciente dos problemas que o município enfrenta, em conversa com o Bocão News, o prefeito da cidade, Jorge Castellucci (PV), acredita que uma possível parceria com o governo pode melhorar a situação. “É um empreendimento de grande porte que vai ser muito importante para nossa região, está gerando empregos. Salinas é mais próxima do estaleiro do que Maragogipe e não tem tanto benefícios”, acredita.

A situação já foi parar na Câmara da cidade. Segundo o vereador Jorge Teixeira, conhecido como ‘Terrinha’, os edis vão discutir a situação do aterro sanitário e da água que estaria sendo desviada do município para o estaleiro. “Tirando essa água vai faltar porque não temos esse potencial de água. As caçambas realmente estão destruindo o município, o calçadão. O estaleiro usufrui do município, mas o município não tem retorno”, dispara.


A reportagem tentou entrar em contato com o escritório do Estaleiro Enseada do Paraguaçu S.A., localizado na avenida Tancredo Neves, em Salvador, e também com o escritório da cidade de Maragogipe, por meios de números fixos de telefone mas não conseguiu falar com a assessoria. No entanto, a equipe de comunicação procurou o Bocão News e prometeu se manifestar sobre o caso.

Fonte: Bocão News.

Comentários