Encontro de Filarmônicas celebra tradição e promove intercâmbio musical; Maragogipe marca presença


Na tarde do último domingo (1º/12), o público soteropolitano conferiu o Encontro de Filarmônicas, que reuniu 12 bandas de diversos locais do estado. No turno da manhã, seis filarmônicas se apresentaram em praças dos bairros da Ribeira, Costa Azul, Alagados, Dique do Tororó, Pituba e Plataforma. Já à tarde, mais seis entidades fizeram shows no Terreiro de Jesus, no Pelourinho. O evento foi mais uma das ações da segunda fase do Programa de Apoio às Filarmônicas do Estado da Bahia em 2013, uma iniciativa da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB), entidade vinculada à Secretaria de Cultura do Governo do Estado da Bahia (SecultBA), que conta com patrocínio da CAIXA Econômica Federal.


O coordenador de música da FUNCEB, Cassio Nobre, fez a abertura oficial e recepcionou as filarmônicas participantes. “Foi interessante perceber que, mesmo sendo uma tradição centenária, os músicos são jovens e o repertório, surpreendente. Eles executaram músicas que escutam, como pop e rock. No entanto, também estão atentos ao conteúdo tradicional, como o ritmo dobrado que estava presente no repertório”, destaca Nobre.

Para o maestro da Filarmônica Terpsícore Popular de Maragogipe, Roque Adson Santos, “é muito importante resgatar e manter a tradição das filarmônicas. O Programa proporcionou a divulgação no interior e na capital e isso é um incentivo para lembrar a tradição que estava um pouco esquecida”. Já o estudante de história e clarinetista da mesma filarmônica, Joilson de Jesus, destacou que “é importante participar desse Programa em razão da revitalização das filarmônicas. Esse tipo de evento faz com que uma filarmônica do interior tenha mais oportunidade de divulgar o trabalho”.

O Encontro de Filarmônicas foi concebido com o intuito de promover o intercâmbio entre as bandas, tendo como alguns de seus objetivos a divulgação dessa manifestação cultural popular da Bahia. As suas apresentações também foram uma relevante atividade de lazer e entretenimento aberta ao público de forma gratuita e democrática.

O motorista aposentado Daniel Santos assistiu à apresentação de Plataforma, da Sociedade Filarmônica Erato Nazarena. Ele disse que “não é comum ter apresentação de filarmônica nos bairros. É muito bonito e bom para a comunidade ver a tradição. Não podemos deixar acabar”.

Um dos destaques foi a composição do maestro Indaiara Índio que homenageou a CAIXA com a música CAIXA Econômica Federal, executada pela Lira Popular Muritibana. Na ocasião o maestro Indaiara entregou a partitura da música para o coordenador de música da FUNCEB, Cassio Nobre.

As filarmônicas estão presentes nas principais festividades e eventos cívicos municipais,abrilhantando estes momentos com suas marchas e dobrados, além de serem instituições responsáveis por promover o ensino do saber e fazer musical, e, neste sentido, responsáveis em grande medida pela preservação da memória musical do nosso estado.

Programa de Apoio as Filarmônicas do Estado da Bahia: Lançado em 2009, oPrograma de Apoio às Filarmônicas do Estado da Bahia objetiva incentivar e valorizar a importante tradição musical das filarmônicas do estado. Em sua primeira etapa, a iniciativa mapeou 183 filarmônicas localizadas em todos os territórios de identidade baianos, sediadas em 170 municípios, e concedeu apoio para 87 delas, distribuindo R$ 4 milhões para aquisição de 1.262 instrumentos musicais e mais de 6 mil acessórios, fardamentos e equipamentos de informática, além de conserto em mais de 500 instrumentos, obtendo impacto direto sobre 74 escolas de música, 4.219 alunos e 2.440 músicos de toda a Bahia.

Nesta nova etapa, contribuindo para o suprimento das demandas materiais das bandas e da qualificação técnico-profissional dos seus gestores e músicos, o Programa amplia suas ações. Mais 30 filarmônicas serão diretamente apoiadas com até R$ 30 mil para que se equipem com instrumentos e demais aparatos técnicos, e as bandas cadastradas serão beneficiadas com ações de formação e difusão. A continuidade do projeto se possibilitou com o patrocínio exclusivo da CAIXA Econômica Federal, que disponibilizou um total de R$ 1,5 milhão, garantindo os recursos necessários para o ano de 2013.

Comentários