Presidente do SINDACS Bahia acusa prefeita de Maragogipe de perseguição política

O presidente do SINDACS - Bahia entrou em contato com este blog solicitando a abertura de espaço para expressar a sua opinião e uma situação muito triste. Este blog, abriu o espaço e afirma que está aberto à prefeitura de Maragogipe.

Leia a nota de Mário Santos:


Por Mário Santos

Nunca na minha vida de sindicalista e na luta pelos direitos dos trabalhadores passei por tamanha perseguição politica como nesta atual gestão municipal, nem na época de tempos sombrios da nossa República.

Após diversos atos no ano de 2013 que atentaram contra a classe trabalhadora, a coisa pública e a minha dignidade como pessoa humana, a gestora do município agora determinou ao seu livre arbítrio a suspensão do meu salário. Mais um ato para entrar no rol das ilegalidades dessa gestão tenebrosa e antidemocrática.

No início do ano de 2013 a prefeita se recusou a sentar com as lideranças sindicais para negociar o reajuste salarial da categoria dos Agentes Comunitários e Endemias de Saúde do Município. A nossa categoria exerceu o seu direito de greve e impôs na justiça o reajuste salarial para a atual gestão.

A atual gestão resolveu então de maneira autoritária e arbitrária me excluir do Conselho Municipal de Saúde, ao qual eu faço parte como representante da classe trabalhadora dos Agentes Comunitários e de Endemias de Saúde do município. Mais uma vez fomos à justiça e logramos êxito, no sentido de que fui reconduzido ao cargo de conselheiro e presidente do Conselho Municipal de Saúde.

Essa mesma gestão ilegalmente promoveu ainda no ano de 2013 a redução de salários de diversos trabalhadores, enquanto isso pagou gordas gratificações a um pequeno grupo, sem contar os contratos milionários com consultorias, festas e etc. E mesmo assim ainda alegava que não tinha condições financeiras de arcar com o reajuste dos salários dos servidores.

Lembro a todos que a atual gestão suspendeu sem justificativa uma conquista histórica dos trabalhadores do nosso município, o “Turnão”, que beneficiava a todos, os trabalhadores, os cidadãos e a própria gestão do município. Além de descumprir diversos itens judiciais da demanda originária do movimento grevista do início do ano.

Agora neste ano de 2014, a gestão municipal promove mais um ato arbitrário contra a minha pessoa, atentando contra a minha dignidade. Suspenderam o meu salário alegando que o meu direito de licença havia terminado, se quer fui notificado antes dessa punição de suspensão de salário para apresentação de documentos, não tenho noticia de instauração de qualquer procedimento nesse sentido.

De qualquer forma, tenho o direito como todo trabalhador a licença classista e ela se encontram em plena vigência, situação que me dáa liberdade para lutar perante a gestão pelo aperfeiçoamento dos direitos de minha categoria.

O proposito desta medida da gestão municipal é clara, estão tentando calar minha voz, essa voz que não se rende a caprichos de uma gestão que quer voltar aos tempos de outrora em que os trabalhadores eram tratados a base do chicote.

Buscarei a justiça para ver garantido o meu direito e tal situação não abalou em nada o proposito maior que é a luta pelas melhores condições de trabalho da minha categoria. Pelo contrário, somente turbinou a nossa energia para ir a busca desse objetivo. Unidos somos mais fortes!

Maragogipe, 30 de janeiro de 2014.

Mario dos Santos
Coordenador de Raças e Gêneros SINDACS/BA

Antonia Ilma Conceição Albuquerque
Coordenadora Estadual

Comentários