OPINIÃO: Um tapinha nas estradas de acesso à São Roque do Paraguaçu

O leitor assíduo deste Blog nos enviou uma nota de opinião que retrata a situação das estradas maragogipanas como um todo e faz algumas perguntinhas que merecem ser destacadas por este Blog. Sendo assim, a mesma pergunta que ele fez no texto abaixo são minhas.



Por Aílton Apolônio dos Santos

Na BA-046, as caçambas são pesadas, existe uma cota determinada de peso a ser transportado pelas caçambas para não danificar o asfalto. Uma exigência da Prefeitura de Santo Antônio de Jesus em conjunto com o DERBA. Aqui em São Roque é a "migué". Está tudo liberado e as caçambas passam cheinhas para exterminar o resto das estradas. O EEP deu um "CHEIRO" na população. Mandou colocar um punhado de brita nos buracos, um paleativo. Pior, vai quebrar muitos para-brisas. Para quem vamos mandar a conta? Para o sub-prefeito de São Roque do Paraguaçu? Sem orçamento, ele não vai ter como pagar! O povo se ferra de qualquer jeito! Por que não faz um serviço perfeito e aplica uma camada de asfalto? A prefeita Vera Lucia podia negociar isso com a EEP. Tão simples.

Enquanto os Prefeitos de Cruz das Almas, São Felipe, Conceição do Almeida, Sapeaçu e Muniz Ferreira formaram o Consórcio Território do Recôncavo, firmando união de forças para realizar ações conjuntas destinadas a melhorias da estrutura e recuperação de estradas vicinais. Não entendo porque a Prefeita de Maragogipe ficou de fora. 

Talvez porque o Ministro das Cidades está destinando R$ 888.700,00 para o recapeamento asfáltico em Maragogipe! Será??? São Roque é Maragogipe e o asfalto está precisando de recapeamento. Onde vai ser gasto esse dinheiro? Parece que Maragogipe não tem vereadores que visem o bem estar do povo. Na época de campanha, os candidatos colocam caçambas de areia, brita, fazem quebra-molas, tudo pago com dinheiro do seu próprio bolso. Depois das eleições esquecem. Quem foi eleito está de boa mas os candidatos derrotados ficam ferrados. Voce acha que o eleitor tem culpa?

Mestre Apolonio

Atenciosamente,
Ailton Apolonio dos Santos

Comentários