Escritor e poeta maragogipano é selecionado no I Concurso Literário de Poesia Sarau da Onça


Escritor e poeta maragogipano é selecionado no I Concurso Literário de Poesia Sarau da Onça realizado em Salvador. O resultado saiu no dia 11 de março de 2014 na capital e agora divulgado para todo o estado da Bahia.

O Primeiro Concurso Literário de Poesia Sarau da Onça foi aprovado na 1ª Chamada do edital Calendário das Artes 2013, da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB), entidade vinculada à Secretaria de Cultura do Estado (SecultBA). O certame visa selecionar dois poemas de cinquenta autores de Salvador e consequente publicação em uma antologia, sem custo para os participantes, que receberão cinco exemplares cada um.

O jovem “Sandro Ribeiro dos Santos (Sandro Sussuarana) é um dos idealizadores do projeto Sarau da Onça que acontece no bairro de Sussuarana (Novo Horizonte) há mais de um ano e meio, nas dependências do Espaço CENPAH – Centro de Pastoral Afro, pertencente à Paróquia São Daniel Comboni. A cada quinze dias são realizados saraus, apresentações musicais, leituras poéticas e canjas de hip-hop e outras atividades culturais” (blog do saraudaonca.blogspot.com). Tudo pela arte e pelo bem do Estado da Bahia.

Vejamos os nomes e poemas dos selecionados:

Alaíde Santana: Sua Face / Incompleto
Alan Felix: Brasileiro / Democracia Racial
Audelina Macieira: Revolta / Amanhã
Carlos Daliga: Defina o amor / Fêmea Sabiá-laranjeira
Cleidinalva: Personagem / Maria
Crispim Quirino: Poema à juventude / Espanto sem medo
Cristiano: Estão por fora / Queremos paz para buscar a paz
Denissom Palumbo: A afro dizia cá / Berimbau barroco
Ednaldo Muniz: Ama de leite / Atotô! Ele está presente!
Egerce: Quero ser preta / África
Fábio Haendel: Ande na faixa / Pena da sorte
Gildásio Barreto: Água mole em pedra dura... / Expresso
RENATO ALMEIDA - Convidativo/ Oração de Proteção
PAULO VENDAVAL - Olhos atentos/ Quilombo Rio dos Macacos
VANESSA CRUZ - Feice Buzuk/ Outros Olhares
RAPHAEL LISBOA - Candace/ Ejaculante
SIDNEY FORTES - Bom senso/ Romance
OSMAR - Pra não dizer que não falei da Copa/ Amor, Verbo defectivo
MARCONI MACHADO - Fúria Justificada/ Escrivaninha
MARIA DA HORA - Quilombo Hohe / Direi pois do meu amor!
RODRIGO GOMES DA SILVA - Árvore da Lapa/ Cotidiano de um rio chamado São Francisco
MARCELO OLIVEIRA - Corpo estranho/ Holocausto
RENATA RABELO - Mazelas/ Dueto
VALTER BITENCOURT - Perfeição/ Onde está o teu corpo.
Hildete Monte Verde: Intimidade /Flor Agreste
Giovane Sobrevivente: Tia Anastácia / Triste
Heider Gonzaga: Assim será / Mundo Paralelo
Jorge Augusto da Maia: Lírica Bereta / Foto-grafia para manchete de jornal
Gonesa Gonçalves: Dueto / Espelho
Luciana Ribeiro: Provocações / Tua Língua
Joane Macieira: Caracol Dourado / Sem Delírio
Jeferson Mirnauivitã: To “comeno” / Acabou Chorare
Jairo Pinto: Minha Canção do Exílio / Literatura Financeira (2ª fase)
Josemário de Carvalho: Acorda Zé / Eterna Saudade
Jacqueline Nogueira: Desnuda / Narranós
Luiz Menezes de Miranda: Briga no Alfabeto / Saudade de outra saudade
Adalmr Chabi: A Aberração / Flores
Evanilson Alves: Menino Douglas / Você
Gleise Souza: A saúde / ouço gritos
Jocevaldo Santiago: Origem / Revolta do buzu: 2003
Joyce Melo: Retrospectiva de Vida / Sou mais homem que machistas
Lane Silva: Pensar com a alma / três tiros
Leandro Mota: antítese / esqualos políticos
Maiara Silva: Criançada / Amor Subtendido
Sandro Sussuarana: A perifa / É amor
Silvana Oliveira: A historia Maria / As minhas heroínas
Verônica Soares: Amizades / Vida
Willian Silva: ladrão poético / transpire melanina
Varenka de Fátima: Ficam as dores / desertificação um horror


Vejamos os poemas desse maragogipano de coração:

POEMA À JUVENTUDE

Juventude de meu Brasil
muitos foram os anos
que conseguir chegar a envelhecer,
eu, o mais novo jovem entre os jovens,
o mais lírico, o mais solitário (...)

Levo comigo a eternidade,
o canto dos pássaros por entre as matas amazônicas,
as cascatas chilenas,
os montes Everest,
os castelos e muros infinitos que cortam geografias;
eu, jovem entre os mais jovens dos brasileiros,
carrego no peito a extensa lembrança,
a esperança escondida por entre brilhos da lua;
eu, que trabalho de noite para poupar o dia,
aquele dos beijos com mulheres soltas,
aquele dos mais loucos desejos,
das corridas de criança pelas ruas da cidade,
aquele dos olhos de palavras e ouvidos de poesia.
Ó, irmãos gêmeos! Como é amor a vida...

Juventude de meu Brasil
muitos foram os anos
que conseguir chegar a envelhecer,
eu, o mais novo jovem entre os jovens,
o mais lírico, o mais solitário.
Carrego comigo a esperança (...).

Bahia, 13 de junho de 2013.

ESPANTO SEM MEDO

Ver?! Como o rosto brilha.
A criança pede pressa.
Os homens e mulheres dizem amor.
E a vida continua.

Ver?! Como a mata, na terra seca, se espalha.
O olhar branco do menino espanta a noite.
A cachorra Baleia a suspirar: alimentando sonhos.
A cachorra só, alegre e viva.

Não se espante.
É o tempo.
E ele pede passagem.

Observa a lua por entre o sol:
como ela cresce e cresce o Sertão...
Não desconfie! São os santos.

Bahia, 10 de janeiro de 2012.


Minibiografia: Crispim Santos Quirino, nascido em Maragogipe, interior do Recôncavo da Bahia junto a seu irmão em 20 de novembro de 1984, é poeta desde os treze. É escritor, poeta, ator, professor e ativista cultural. Publicou o seu primeiro romance “O Mistério de Eduardo” (EGBA-2012) e está prestes a publicar o segundo, “Petróleo, navio e gás”. Quirino, como é conhecido, contribui em diversas atividades artístico-literárias.

“São de homens e mulheres culturalmente livres que se constrói um país”. Diz o escritor e poeta nascido no Recôncavo da Bahia em entrevista concedida para esse espaço de convívio social. “Viva a literatura e toda forma de arte!” Conclui. Quirino é estudante da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia – UFRB.

Comentários