OPINIÃO: A Família como base para o combate a criminalidade

Por Carlos Gomes

Irmãos e irmãs, eu não vejo solução para essa violência em nossa sociedade se não tiver a integração dessa que é a maior autoridade que se chama FAMÍLIA, os valores e respeito estão indo para o beleleu. Sempre escutei música pesada e marginalizada, mas toda vez que pegava o caminho da rua, comunicava a mainha. Sou filho que compõe uma família de 09 (nove) irmãos, 03 (três) homens e 06 (seis) mulheres, minha mãe trabalhava na Fábrica Suerdieck e forrava sofá, meu pai (antes de ser reconhecido como 2º Tenente da Marinha) pescava e carrega bujão de gás, mesmo assim eles souberam educar e conduzir nossas vidas para um caminho de respeito e responsabilidade com a sociedade. Só passamos a frequentar as noites depois que já estávamos bem grandinhos, mesmo assim com o monitoramento severo deles.

Hoje eu sou grato pelas cinturadas que tomei, pela surra que levei do meu avô Uca, quando naquele momento foi confirmado que eu e meu irmão pegamos um brinquedo do nosso amigo Cesar Guedes, levamos uma surra na ida e na volta, isso com os trabalhadores da Suerdieck passando, essa prensa do meu avô nos ensinou bem o que é certo e o que é errado. Crianças chegam em casa hoje com dinheiro nas mãos, tênis Nike e tantos outros objetos de valores e os país sequer perguntam como adquiriu aquele bem.

Hoje os pais estimulam os filhos e filhas a frequentarem os arrochas e pagodes nas madrugadas, hoje os filhos e filhas aprontam e os país não vão investigar qual o grau de envolvimento dos seus filhos no ilícito.

A consequência disso é a constante criminalidade em nossa sociedade, são os assassinatos que vem ocorrendo, como o que aconteceu ontem com o irmão do meu cunhado, homem trabalhador, pai de família que teve sua vida ceifada por um marginal, que não deve ter tido a base familiar que tive durante toda a minha vida.

Portanto irmãos e irmãs, vamos assumir a responsabilidade e buscar resgatar essa convivência familiar, que a sociedade tem deixado de lado nos últimos anos.

Comentários