Opinião: O maragogipano nasce para sofrer ou não passa de um falso dilema?


Por Crispim Quirino
(Escritor, Poeta, Ator, Professor e Ativista Cultural)

Recentemente li no Blog do Zevaldo, esse amigo da gente patriótica, uma matéria a respeito dos “supostos” candidatos a prefeito (a) e vice-prefeito (a) de Maragogipe. O que eu acho um absurdo. Primeiro, porque é um erro pensar que a República Federativa do Brasil deve ser “pensada” dessa maneira e com esses “métodos” tão velhos que colocam em decadência a mesma Constituição Republicana, a saber, a partir de quando “simula” uma provável eleição entre esse ou aquele candidato. Posto que um candidato, republicanamente, nasce do “desejo” e “vontade” da “gente” (outrora povo) do país de forma natural, social e humana – não cabendo “usar” os meios de comunicação e influências outras para se destacar e formar opiniões políticas que não se sustentarão e deixarão o descrédito dessa mesma gente mais fragmentado do que já está a respeito da Política Brasileira. Segundo, que voto não se mede fazendo sorteio entre um ou outro candidato (a), e sim, pela “melhor proposta”, pelas “ações” já desenvolvidas na localidade, pelo “caráter” (que poucos têm) e etc. Como dizia Ruy Barbosa de Oliveira: "A República não precisa de fazer-se terrível, mas de ser amável; não deve perseguir, mas conciliar; não carece de vingar-se, mas de esquecer; não tem que se coser na pele das antigas reações, mas que alargar e consolidar a liberdade." E é isso que importa, a “liberdade”, e não a manipulação desta como se nota por parte de alguns políticos maragogipanos já conhecidos como VELHOS CARNEIROS em pele de ovelhas...Se vierem como velhos estejam novos e com um novo ao seu lado, e se vierem novos que não sejam velhos, mas sempre novos, posto o novo renovar o velho sempre, mesmo esse estando já desgastado como uma camisa antiga há ser remendada...

... NÃO SE DEVE SOFRER mais com os enganos do passado, posto que mesmo o passado passa...

Não quero acreditar no título de nosso texto enquanto reflexão. Nada nos garante desse sofrimento. – É no Hino de Maragogipe que podemos buscar nossa verdade, nossa esperança, nossa força e nossa história de gente guerreira que “Nada nos leva jamais a recuar, /Pois nosso peito é grande como o mar, /Pode conter nosso Brasil gigante, /Cada vez, cada vez mais triunfante”...

Gostaria de chamar a todos que amam a Cidade de Maragogipe para refletir a respeito do que queremos e do que já temos... Reflitamos...humanamente.

Agora observemos o seguinte. Embora meus argumentos possam parecer aqui paradoxais, ao mesmo tempo em que anteponho a ante política mesquinha e metodologicamente FALIDA por quem ACHA que é candidato (a) já de chapa real ou fictícia, ainda assim acredito no novo e na mudança com A JUVENTUDE NO PODER! Daí eles e elas, por se tratar de nomes públicos e de ações públicas na República Patriótica que podem ser citados sem qualquer ordem, cuja ordem deixa-se analisar por seus valores e atitudes. São eles:
  • Crispiniano Quirino – Conhecido como Pim Quirino: pela atuação política, social, cultural e voluntária na cidade.
  • Zevaldo Sousa – Conhecido como Zevaldo: pelo respeito que tem com a história e educação da cidade.
  • José – Conhecido como Zé: pelo valor que tem dado ao esporte da cidade.
  • Álvaro Nobre – Conhecido como Álvaro: pelo valor que tem com a educação e ao esporte.
  • Dentre outros.

Se esses não podem ser os CANDIDATOS A PREFEITOS (as) E VICE-PREFEITOS (as) de Maragogipe, pelo menos que sejam VEREADORES (as), pois fazem mais do que os que estão aí. – Mentira? Não precisa fechar os olhos para ver o passado, ele está em nossa frente. Como o futuro que sempre virá e com muita presença... E caso alguém queira ACRESCENTAR mais nomes, que o façam, mas façam nobremente, honestamente, eticamente, moralmente, independentemente e maragogipanamente, sem interesse e posição partidária. O partido aqui e agora é MARAGOGIPE e sua REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL...

Por fim, e não último, deixo como reflexão mais uma frase do supracitado jurista inconteste de nossa República do Brasil: "A justiça, cega para um dos dois lados, já não é justiça. Cumpre que enxergue por igual à direita e à esquerda." – Eis os novos JOVENS POLÍTICOS DA CIDADE DE MARAGOGIPE... – Mostrem o diferencial de bom que nada custa e vale mais do que qualquer passado sem vitória... Ah, para não esquecer de minha posição de justiça que tenho: minha política é a LITERATURA de Maragogipe que tanto prezo, vivo e escrevo por ela (como um Intelectual da Bahia)..., já sobre um dos dois lados que harmoniza o peso da balança, prefiro ficar no meio, neutro, porém atuando: como uma força invisível assim como a que rege toda a Terra e demais Planetas com o Universo...E o Universo, enquanto “força”, segue para aquele lado: direito, esquerdo ou centro? Só o tempo pode nos dizer... Espero que na política de Maragogipe não seja a do sofrer tanto. Já basta! E para aqueles que insistem em duvidar, no plano humano e político local, sobre a minha posição ideológica, que não tem nada a ver com a minha história literária e popular da Patriótica, tendo particularmente para o Marxismo-Weberiano-Culturalismo – mais exato do que qualquer persistência partidária: é o ESTADO DE DIREITO que vive, atua, mantêm-se e resiste para tal e qual fim: a POLÍTICA enquanto FILOSOFIA... Se a esquerda tender a esse fim, fico com ela mais democrática do que a direita (até agora, pelo menos). – Eis o dilema.

Entrementes, encerro este texto reflexivo citando o Barão de Montesquieu que diz: “Só se conhece o que se pratica”. E mais: “Num Estado, isto é, numa sociedade onde há leis, a liberdade só pode consistir em poder fazer-se o que se deve querer e em não estar obrigado a fazer o que não se deve querer” (idem).

(...) Se voltarem o olhar para o presente dilema, que aparece claramente como contraponto do suposto sofrimento dos nossos munícipes, verão que não cito por acaso os nomes dos primeiros pensadores republicanos no Ocidente: um Brasileiro e o outro Europeu. Nomes que nascem e renascem a cada sofrimento alheio com que insistam existir... Nomes de pensadores e intelectuais da Humanidade. – Alguma dúvida nisto?

Bahia, 13 de maio de 2014.

Comentários