Opinião: A Cultura do “Jogar Fora” (por Rafael Souza)

Por Rafael Souza

De começo, não fui e nem sou contra a realização da Copa do Mundo no Brasil. Eu, como todo Brasileiro que se orgulha pelo mesmo motivo – ser brasileiro – me adorno com as cores da nossa seleção, vibro e grito como um maluco a cada gol. Mas como realista Brasileiro, vejo que a Copa do Mundo aqui em nosso país, vem abrindo nossos olhos para a nossa forma de cuidar, como um todo, do mundo.

Fui quase que obrigado a escrever sobre a nossa maneira de cuida dos nossos dejetos, após vê a cena dos Japoneses recolhendo todos os lixos deixados no estádio após uma partida, aquilo ali foi fascinante. Muitas pessoas, nas redes sociais, condenaram – digamos assim - a forma como os orientais se comportaram. Isso é facilmente entendido, visto que somos regidos a maneira cultural tradicional do Jogar Fora. É basicamente assim: Não me serve mais? R= JOGA FORA! Contudo, e por mais, que existam campanhas e apelos socais para a reversão dessa nossa realidade, muito pouco de fato, surtirá, na prática, um efeito considerável. Essa nossa realidade é compreendida como uma rotina resultante dos tempos coloniais. Por exemplo, na cidade do Rio de Janeiro (RJ), todos os lixos e dejetos das casas coloniais, que nãos serviam mais, eram descartados, ou melhor, atirados na rua ou despejados nas praias. De lá ate aqui, muita pouca coisa mudou, a realidade nossa atual é ainda categoricamente esta.

De acordo com a ONU e o Banco Mundial, nós somos o quinto maior produtor de lixo no planeta, em uma década produzimos cerca de 63 milhões de toneladas de lixo todos os dias. Só agora na Copa do Mundo, aumentamos cerca de 360 toneladas de lixo, boa parte vem das áreas da Fifa Fan Fest, que aqui no nosso estado está localizado no Farol da Barra (Salvador- Ba). Seria de certa feita, bem melhor para o social em si, se adotássemos de uma vez a reciclagem. Lembra dos Japoneses lá no começo? A reciclagem lá no Japão é obrigatória, as crianças crescem sabendo o certo, fazendo o certo. Por aqui, a realidade é outra: reciclamos apenas 3% de todo lixo produzido, lamentável.

Devíamos nos envergonhar disso, nós por exemplo, estaremos em qualquer índice que venha a surgir, somos resultantes e continuamos a seguir com a cultura do Jogar Fora. Andando pela nossa cidade não é difícil vermos o quão sujo ela está. Lixos jogados pelas ruas sem qualquer cuidado, em muitos casos empatando ate parte da calçada. Moradores, mais atenção! Nós temos uma coleta de lixo fixa, saiba a hora certa de expor seu lixo.

Por outro lado, aqui mesmo em nossa cidade, a Fundação Vovó do Mangue, em seus diversos projetos, vem engajada a mudar esta situação. Eles aclamam em suas palestras, ou em seus meios de comunicação, para que de fato haja um cuidado coletivo para com o Meio Ambiente. Ao ligar a TV para assistir o Mundial, observe os exemplos bons que ainda existem, recolham as latinhas que facilmente “escorregam” da mão e vão direto ao chão, e deposite em um lixo. Ainda dá tempo de mostrar ao mundo que somos um povo “ infeliz”.

Comentários