Maragogipe: Ausência de público no Tribunal do Juri chama atenção da Promotoria de Justiça

Foi realizada no dia 26 de novembro de 2014 mais uma Sessão do Tribunal do Júri nesta cidade. O Sr. Rogério Souza Lima foi condenado a 17 anos de reclusão, a ser cumprido em regime fechado, por prática de homicídio qualificado, crime ocorrido em 03/01/2008, próximo ao Parque de Diversão Mania de Brincadeira, no distrito de Coqueiros, tendo como vítima a sua companheira, Sra. Gislene de Jesus Silva.
Neide Reimão Reis (Foto Juraci Rebouças)
Chamou atenção desta Promotora de Justiça a ausência de público ao Plenário. Além dos policiais que fizeram a segurança e serventuários do Fórum, não havia mais de cinco pessoas assistindo o julgamento.

Essa situação é notada em todos os Júris que são realizados na cidade.

Infelizmente, a sociedade maragojipana não se interessa por fatos conjunturais que acontecem na cidade. A realização de um Júri é uma lição de civismo pois é oportunizado ao cidadão comum, em atendimento ao dever constitucional de cumprir e exercer ato de cidadania, julgar um semelhante.

É através do julgamento popular que a sociedade participa, de forma efetiva, das demandas criminais.

A segurança pública de uma cidade é tema que diz respeito a todos. A policia, a Justiça, ao Ministério Público e a sociedade, entretanto, no momento em que os representantes desta sociedade, os componentes do Conselho de Sentença,são chamados para julgar, a sociedade como um todo sequer participa, ao menos como espectadora.

Essa sociedade prefere utilizar as redes sociais para expor as mazelas da segurança pública do município, ao invés de se fazer presente como participante da cruzada da impunidade, se encolhendo e se omitindo em momentos tão significativos que são as Sessões do julgamento pelo Tribunal do Júri.

Drª Neide Reimão ReisPromotora de Justiça
Fonte: Blog do Juraci Rebouças 

Comentários