Maragogipe: Católicos do distrito de Nagé prestam homenagem ao Senhor de Bonfim


Neste mês de janeiro, a comunidade católica do distrito de Nagé, em Maragogipe presta homenagem ao Senhor do Bonfim de Nagé com uma festa belíssima que é um dos mais importantes eventos da comunidade maragogipana e que por si só, é um atrativo a parte.

Hoje, aconteceu a procissão em louvor ao Senhor do Bonfim e a Missa Solene. Durante a semana, aconteceu o novenário e exposição do Santíssimo Sacramento pelo capelão na Igreja do Bonfim em Nagé.

No evento, também podemos citar a “Lavagem da “Glória” ou Popular de caráter afro-religioso com grande participação do povo e uma característica marcante que todo maragogipano tem em seu jeito de festejar.

Um pouco de história:
A vila morena surgiu, no século XVII, em torno do porto que servia de atracadouro para os nativos e representantes de Santo Antônio de Aldeia, principal comunidade religiosa desta região naquele momento. Dois são os fatores preponderantes para que a vila criasse raiz, a sua proximidade com o rio Paraguaçu, principal via de acesso à capital do Império e, os perigos do século XVII, ou seja, as constantes guerras contra os indígenas e contra os negros fugidos que já formavam diversos quilombos e mocambos pela região.

Já em 1724, com a elevação da Freguesia de São Bartolomeu de Maragogipe à categoria de vila, Nagé aos poucos começou a crescer, ganhando importância na produção de alimentos de primeira necessidade. Em, 13 de agosto de 1880, foi decretada lei provincial no 2077 criando o distrito de Nagé, e assim continuou até os dias atuais, mesmo depois de todas as novas leis, decretos e divisões territoriais.

Vila de pescador situada a quatro quilômetros de Maragogipe, com bela implantação paisagística e algumas construções interessantes. Hoje, o potencial turístico que a vila morena possui é extraordinário, a Praia de Ponta de Sousa e do Pina e os veleiros e saveiros são os verdadeiros representantes de um passado não tão longínquo.

Leia mais sobre a história de Nagé no Ecos da História

Comentários