Projeto Audiophylia realizará oficinas de preservação e educação patrimonial em Maragogipe, São Félix e Santo Amaro


A segunda edição da exposição Audiophylia será montada no foyer e mezanino do Teatro Dona Canô (Santo Amaro-BA) e aberta à visitação pública entre os dias 31 de janeiro e 04 de abril de 2015. Também serão realizadas oficinas de Educação Patrimonial, Conservação e Gestão de Acervos Fonográficos com inscrições gratuitas nos dias e locais de realização. O projeto tem patrocínio do Governo do Estado, através do Fundo de Cultura do Estado da Bahia, Secretaria da Fazenda e Secretaria de Cultura do Estado da Bahia.

Em 2013, em sua primeira edição, a exposição Audiophylia foi apresentada no Foyer do Centro de Artes Humanidades e Letras da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Para a segunda edição, a exposição – que integra a programação oficial da Festa da Purificação de 2015 – tem como recorte curatorial a prática do colecionismo de discos de vinil, identificada como uma ação de salvaguarda de memórias socioculturais.

Homenageando o colecionismo, o disco de vinil e a música brasileira, a exposição Audiophylia destaca a obra do cantor e compositor santo-amarense Manuel Pedro dos Santos (1870-1944). Este ilustre filho da terra – conhecido sob a alcunha de “Bahiano” – foi o primeiro a gravar e lançar um disco no Brasil (1902), tendo nele interpretado o lundu “Isto é bom” de autoria do célebre soteropolitano Xisto da Bahia (1841-1894).

Ao adentrar o espaço expositivo, o visitante terá a oportunidade de conhecer a história do disco de vinil e da tecnologia dos registros sonoros; refletir sobre o conceito de obsolescência e a importância da prática do colecionismo. Ao final do percurso, poderá vivenciar – ou revivenciar – a experiência de colocar um disco na vitrola, baixar o braço da agulha e, depois, sentar-se confortavelmente para ouvir o cantor ou a banda de sua preferência, admirar a arte da capa escolhida e dos encartes originais. Dois mil discos provenientes do acervo de colecionadores do Recôncavo estão à sua espera.

Além das oficinas, o projeto conta com a realização de visitas mediadas para grupos escolares e demais visitantes. Será distribuído, gratuitamente, o catálogo expositivo que acompanha um vídeo documentário com informações de cunho histórico e cultural, além de depoimentos inéditos de colecionadores de discos de vinil do Recôncavo da Bahia. A realização dessas ações sócioeducativas tem o objetivo de consolidar uma rede de atores sociais engajados na pesquisa, fruição, preservação e valorização de acervos sonoros, intrinsecamente relacionados com a memória social de comunidades do Território de Identidade Recôncavo baiano.

Oficinas de Educação Patrimonial, Conservação e Gestão de Acervos Fonográficos

Além das visitas mediadas, várias atividades socioeducativas serão realizadas ao longo da exposição. Entre os meses de fevereiro e abril de 2015 o projeto Audiophylia vai oferecer um total de 36 (trinta e seis) horas de oficinas de Educação Patrimonial, Gestão e Preservação de Acervos Sonoros nas cidades de Santo Amaro, São Félix e Maragogipe-BA

Todas as atividades são gratuitas e as inscrições serão feitas nos dias e locais das oficinas. Confira a programação e participe!

1. Oficinas de Educação Patrimonial

As oficinas apresentarão as noções técnicas e conceituais relacionadas à gestão de acervos sonoros, voltadas à aquisição, documentação, pesquisa, acesso e difusão dessa tipologia de acervo em espaços museiais e Centros de Memória. O foco principal é apresentar subsídios à comunidade local para a criação e desenvolvimento de espaços de salvaguarda de acervos fonográficos (discos de vinil). Carga Horária: 4 horas.

Datas e Locais de realização:
  • 09/02/2015 | 13 – 17h – Teatro Dona Canô (Santo Amaro/BA);
  • 11/02/2015 | 13 – 17h – Casa de Cultura de São Felix (São Felix/BA);
  • 13/02/2015 | 13 – 17h – Fundação Vovó do Mangue (Maragogipe/BA).

Profissional Responsável: Profa. Ms. Rita de Cássia Salvador - Docente e Coordenadora do Colegiado do Curso de Museologia da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia.

2. Oficinas de Conservação Preventiva de Acervos Fonográficos

No decorrer das oficinas serão abordadas as noções básicas para a conservação preventiva e corretiva de acervos fonográficos (discos de vinil), como: manuseio, higienização mecânica e química, acondicionamento, controle ambiental (temperatura e umidade relativa do ar) e restauro. Carga Horária: 4 horas.

Datas e Locais de realização:
  • 02/03/2015 | 13 – 17h – Teatro Dona Canô (Santo Amaro/BA);
  • 04/03/2015 | 13 – 17h – Casa de Cultura de São Felix (São Felix/BA);
  • 06/03/2015 | 13 – 17h – Fundação Vovó do Mangue (Maragogipe/BA).

Profissional Responsável: Marcelo de Almeida – Conservador e Restaurador de Discos – São Paulo.

3. Oficinas de Gestão de Acervos Fonográficos

Os participantes terão contato com as noções técnicas e conceituais relacionadas à gestão de acervos sonoros voltadas à aquisição, pesquisa, acesso e difusão dessa tipologia de acervos em espaços musicais e Centros de Memória. O foco principal é apresentar subsídios à comunidade local para a criação e desenvolvimento de espaços de salvaguarda de acervos fonográficos (discos de vinil). Carga Horária: 4 horas.

Datas e Locais de realização:
  • 23/03/2015 | 13 – 17h – Teatro Dona Canô (Santo Amaro/BA);
  • 25/03/2015 | 13 – 17h – Casa de Cultura de São Felix (São Felix/BA);
  • 27/03/2015 | 13 – 17h – Fundação Vovó do Mangue (Maragogipe/BA).

Profissional Responsável: Patricia Andreia Lira – Coordenadora e supervisora das atividades de documentação, conservação e difusão do acervo do Museu da Imagem e do Som de São Paulo.

Exposição Audiophylia

Que o Recôncavo é território das Artes e da Música não há dúvidas. Fazendo jus a este título, mais uma vez, seus moradores e visitantes terão a oportunidade de viajar no tempo e conhecer o universo sonoro por trás dos discos de vinil.

De 31 de Janeiro a 04 de abril de 2015, no Teatro Dona Canô, a exposição apresentará um vasto acervo de discos de vinil, além de uma diversidade de modelos de aparelhos de reprodução sonora (gramofones, toca-discos, vitrolas, etc.) e antigas fotografias de coleções de discos de vinil das cidades Santo Amaro, São Felix e Maragogipe (BA).

Os visitantes ainda terão a oportunidade de escutar seus discos preferidos dentre os mais de 1.500 discos distribuídos em cinco módulos expositivos, a saber: Panorama Histórico; Obsolescência Tecnológica; Disco no Museu; Colecionismo e Práticas de Escutas.

Comentários