Crise e escândalos levam à discrição política no Carnaval; Rui Costa pode visitar Maragogipe


Por Biaggio Talento

Com a crise econômica e o escândalo do "petrolão" fazendo mais barulho que o trio elétrico, o carnaval baiano não parece estar animando a classe política. Não existe previsão das participações da presidente Dilma Rousseff nem de governadores de outros estados circulando pelos camarotes do centro e da orla, como em festas passadas.

Se vier à Bahia, Dilma deve se refugiar mais uma vez na Base Naval de Aratu. É o local ideal para ela finalizar o discurso que pretende fazer em cadeia de televisão após o carnaval para tentar tranquilizar a população ante o aumento da inflação e a situação na Petrobras.

O governador Rui Costa (PT) vai passar no Camarote Oficial no Campo Grande, no domingo, como é de praxe e visitar outros para prestigiar a festa. Pretende visitar também cidades do interior baiano que têm festa tradicional, como Maragogipe. Pode visitar ainda Barreiras e Porto Seguro.

Prefeito
Já o prefeito ACM Neto (DEM) seguirá o roteiro de sempre. Participa da abertura do Carnaval, na quinta-feira à noite, entregando "simbolicamente", a "chave da cidade" para o Rei Momo. Nos dias seguintes estará circulando pelos camarotes mais badalados, em especial o das autoridades na Passarela do Campo Grande. Uma das rotinas carnavalescas de Neto é de trabalho.

Ele reúne o secretariado todos os dias de Carnaval na parte da manhã para fazer balanços de avaliação parciais da festa. Na manhã da Quarta-feira de Cinzas concede entrevista coletiva com os números finais da festa. Na coletiva, marcada para a manhã de hoje, "apresentando" o Carnaval, o prefeito deve divulgar se alguma estrela nacional ou internacional participará da festa. O chefe do Legislativo estadual, deputado Marcelo Nilo (PDT) optou pelo descanso durante o Carnaval, que passará no litoral norte.

Protesto
Muitos integrantes da classe política baiana, em especial os dos partidos ditos de esquerda, costumam bater ponto na Mudança do Garcia, entidade que desfila na segunda-feira, saindo do bairro do Garcia.

Lá também aparecem os sindicatos e associações de trabalhadores insatisfeitos com seus patrões. Uma dessas entidades é o Sindsaúde (Sindicato dos Servidores da Saúde) que está convocando seus associados para o desfile que terá o tema "Não me leve a mal, queremos URV e reajuste salarial". O bloco também cobrará aumento salarial na data-base 1º de janeiro.

Fonte: A Tarde

Comentários