OPINIÃO: Uma das maiores riquezas culturais de nossa terra se perdeu

Por Rutiléia Campos

Para quem não me conhece... Sou Rutiléia Campos, professora do Estado da Bahia, coordenadora pedagógica do projeto Co2, professora de ballet, amante da cultura. Já divulguei a cultura de Maragojipe através da Bahiatursa em Buenos Aires e Córdoba - Argentina, Em Lisboa – Portugal, em Montevidéu – Uruguai e preciso fazer o meu desabafo:

AI QUE DOR!!!!!

Essa é a expressão que não quer sair de mim. Uma das maiores riquezas culturais de nossa terra se perdeu, ou melhor, morreu este ano. É o bem imaterial que o cidadão tem direito.

Por que o povo desta terra está tão quieto com todos os desmandos que aqui estão acontecendo? Permitindo que se destrua a nossa amada cidade. Somos filhos desta terra e precisamos arregaçar as mangas para lutar, não adianta ficar de ti ti ti com o amigo, o vizinho, é necessário partimos para as ações. Fui JACU sim e sei que vem acontecendo perseguições politicas e humilhações com várias pessoas que foi contra a politica atual, mas sei também que os perseguidos serão exaltados, pensem nisso e sigam pra luta.

ANALISEM:
  • A SAÚDE VAI MUITO BEM, OBRIGADA;
  • A EDUCAÇÃO ESTA TOP;
  • A SEGURANÇA, UM ESPETÁCULO;
  • AS ESTRADAS, UM TAPETE;
  • A CULTURA, AI AI.

Como pode uma cidade com um potencial imenso para atrair turistas de vários pontos do mundo, deixar sua cultura morrer. Deixar seus comerciantes sem lucrar. Deixar seus artistas e seus músicos sem valorização. É uma vergonha!!!

Nosso carnaval Patrimônio Imaterial que foi destaque na Lavagem de La Madeleine em Paris, destaque na Portela, um carnaval do estilo europeu que permanece em nossas veias, com fantasias e máscaras, alegria e charangas que foi apresentado em Portugal na Mostra Ibérica de Máscaras, toda essa riqueza cultural está se perdendo.

No mês de maio, em comemoração ao aniversário da cidade, o que foi mesmo que aconteceu, nem me lembro mais, rsrs.

Chegando aos festejos juninos o que encontramos, NADA! Nada que demonstre a cultura do recôncavo, a nossa raiz, o que resultou, um forró do cais sem graça, um verdadeiro fiasco.

Ahhh!!! Vem agosto, e toda população espera o mês do seu padroeiro chegar, tanto para elevar a sua fé quanto para a festa profana. E este ano a decepção acometeu a todos. Cadê a Festa de São Bartolomeu, onde está, alguém viu?

Não adianta dar desculpas a população dizendo que é devido à crise do País, que é devido ao Estaleiro, enfim, não há explicações para o inexplicável, pois pela lógica quando uma cidade promove eventos tradicionais como o nosso atrai um grande número de visitantes e turistas e por consequência aumenta a geração de renda de todos os comerciantes formais e informais. Além do mais, bem antes de acontecer patrocínios como o do estaleiro, a Festa de São Bartolomeu já acontecia.

É triste você vê e vivenciar a cultura de uma cidade agonizando, pedindo socorro. O que mais vai acontecer em nossa terra. O pessoal do artesanato de Maragojipinho que já vem pra cá a muitos e muitos anos, não estão conseguindo vender nem para se manter aqui, o que é isso gente?

E o pior de tudo, é que estamos carentes e descendo para o fim do poço em todos os sentidos: é na cultura, na saúde, na segurança, na infraestrutura, na educação. A CIDADE PEDE SOCORRO! Precisamos nos unir em prol de uma única causa, à nossa cidade de volta, o nosso orgulho de dizer: “Sou de Maragojipe”.

Vamos pra luta povo guerreiro, deixem o medo de lado, o tempo do coronelismo já acabou faz tempo.

Peço a Deus, aos irmãos de luz e ao Glorioso São Bartolomeu que interceda por nós.

Por Rutiléia Campos
É professora, agente cultural e uma das manifestantes que atendeu o pedido da Professora Iraci e foi para as ruas manifestar sua insatisfação.

Comentários