Cachoeira ganha mais fama com a Festa Literária Internacional (FLICA)

Conhecido pela importância histórica para a Bahia e o Brasil, o município de Cachoeira passou a ganhar mais fama também com a literatura. Pela quinta vez, a cidade da região do Recôncavo sedia a Festa Literária Internacional de Cachoeira (Flica). Com apoio do Governo do Estado, por meio do Programa Estadual de Incentivo ao Patrocínio Cultural (FazCultura), do governo federal e da iniciativa privada, o evento foi aberto oficialmente na noite desta quarta-feira (14), no Convento do Carmo.

Representando o governador Rui Costa, que está cumprindo agenda fora do País, o secretário de Cultura do Estado, Jorge Portugal, afirmou na abertura da Flica que um dos destaques da edição de 2015 é o Espaço Educar para Transformar, onde acontecem diversas ações de secretarias estaduais. Quem prestigiou a primeira noite do evento pôde conferir as apresentações da Filarmônica Minerva Cachoeirana e da Filarmônica Lyra Ceciliana.


“A sensibilidade do governador Rui Costa [em ampliar a participação do Estado no evento] foi imediata. Ele abraçou e entendeu [a importância da Flica]. Até domingo [18] teremos mesas [de debates], ações da Fundação Pedro Calmon, da Fundação Cultural [Funceb), Ipac, entre outros [órgãos]”, disse Portugal.

Com o tema ‘Gentes Brasileiras’, a primeira mesa da Flica foi mediada pelo secretário de Cultura do Estado e teve a participação do escritor e jornalista Igor Gielow e do baiano e integrante da Academia Brasileira de Letras (ABL), Antônio Torres, o grande homenageado desta edição da Flica. Na abertura do evento, Torres, que não conhecia Cachoeira, declarou estar encantado com a cidade. Ele também afirmou que ficou surpreso com a homenagem.

Quanto à participação mais efetiva do governo estadual nesta edição, o escritor disse que “há um indicativo muito forte do sucesso, do acerto do evento, [em] que o Estado resolveu se juntar mais fortemente a todos que apoiam a Flica”. A festa literária continua até domingo (18) com ampla programação para cachoeiranos e turistas, que pode ser conferida no site da festa literária.

Evento multicultural
Integrante da Irmandade da Boa Morte e presidente da Confraria de Oyá, Ebomi Nice ressaltou que a Flica é um dos eventos literários mais importantes do País e evidencia a capacidade de Cachoeira em receber eventos multiculturais. “Cachoeira é uma cidade heróica, histórica, que merece isso que a Flica vem fazendo".

Centenas de livros, de diversos temas entre clássicos da literatura e lançamentos, devem atrair milhares de pessoas à Flica. No espaço da Editora da Universidade Federal da Bahia (Edufba), por exemplo, dezenas de publicações de autores baianos estão à disposição e sendo comercializados com descontos especiais ou a preços populares.

A vendedora de livros Vania Fraga informou que boa parte dos livros da editora falam sobre as etnias em temas como a história da África e da cultura baiana. “A Edufba, no ano de 2014, editou 100 títulos. São pesquisadores da Ufba, que fazem um trabalho de divulgação das suas pesquisas”.


Fliquinha
Na festa literária deste ano há também mais opções para as crianças. A partir desta quinta-feira (15) haverá contação de história, música, apresentações teatrais, filmes, oficinas de brinquedos e lançamento de livros infantis dentro da programação da Fliquinha.

Foto: Camila Souza/GOVBA
Fonte: Secom - Secretaria de Comunicação Social - Governo da Bahia

Comentários