Carta de Temer deve levar a rearranjo de forças no partido, dizem peemedebistas


Por Carolina Gonçalves, Karine Melo e Vinicius Lisboa*

A carta enviada pelo vice-presidente Michel Temer a presidenta Dilma Rousseff provocou reações dentro do PMDB. Para a ala do partido contrária ao governo, as declarações de descontentamento do vice irão provocar rearranjo de forças dentro da legenda e até mesmo fortalecer o pedido de impeachment de Dilma, que tramita na Câmara dos Deputados. Outros integrantes avaliam que a carta não significa rompimento com o governo.

Uma das mudanças apontada por peemedebistas, que se posicionam contrários ao governo, ouvidos pela Agência Brasil, é na composição do partido, como a substituição de Leonardo Picciani (RJ) da liderança do partido na Câmara. O nome mais cotado, por enquanto, é o do deputado federal Leonardo Quintão (MG). O estopim foi a lista de nomes do PMDB para compor a comissão especial que vai analisar o pedido de impeachment. As vagas são disputadas por aliados do governo e nomes ligados ao presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que desde o fim do primeiro semestre anunciou rompimento pessoal com o Palácio do Planalto.

Peemedebistas insatisfeitos com as indicações apresentadas por Picciani afirmam que o líder descumpriu um compromisso firmado com a bancada. “Foi uma chapa vinda do Planalto. O líder tinha feito um acordo de dividir [as vagas]. Das oito vagas de titulares do PMDB, quatro seriam de parlamentares a favor do impeachment e quatro, de afinados com o governo. No final, chamado ao Palácio, o Palácio disse que não poderia ceder e teria que indicar nomes aliados”, disse o deputado Lúcio Vieira Lima (BA), responsável por organizar chapa alternativa do partido para comissão especial que vai analisar o pedido de impeachment de Dilma.

Na carta enviada a Dilma, Temer menciona o descontentamento do acordo. "De qualquer forma, sou Presidente do PMDB e a senhora resolveu ignorar-me, chamando o líder Picciani e seu pai para fazer um acordo sem nenhuma comunicação ao seu Vice e Presidente do Partido".

Segundo Lúcio Vieira Lima, foi a “indignação” com esse episódio que impulsionou conversas de peemedebistas com a oposição e aliados insatisfeitos, como deputados do PR e PP, sobre uma nova chapa para a comissão.

“Não é chapa alternativa. É uma chapa. A deles [governistas] está sendo chamada de chapa branca e não foram nomes escolhidos pelos partidos, mas pelo Planalto”, disse Vieira Lima.

Impeachment

Outra avaliação dos parlamentares é de que a divulgação do texto mostra o que ocorre nos bastidores políticos, “que foi o desprezo total”. “Isto vai forçar mudanças de posição, mas não será algo imediato. Além de presidente do PMDB, o Michel Temer é uma grande liderança, então, na hora que levou sua insatisfação, logicamente que ele vai ter a solidariedade dos amigos”, disse o deputado Lúcio Vieira Lima.

Sobre os efeitos da carta, o peemedebista Darcísio Perondi (RS), também contrário ao governo, afirmou que o gesto do vice-presidente vai ampliar o apoio pelo impeachment. Segundo ele, a carta “dura, mas "respeitosa” sinaliza o rompimento do vice com a presidenta Dilma Rousseff. “Favorece a posição do PMDB a favor do impeachment e posiciona outros partidos também. Nossa chance de chegar aos 342 votos [mínimo de votos necessários para aprovar o pedido na Câmara] para mandar o projeto para o Senado cresce substancialmente com esta decisão corajosa do Michel Temer em romper com a presidenta Dilma.”

Entre os senadores, Ricardo Ferraço (ES) diz que o partido parece estar se aproximando de Temer e desembarcar do governo. “Esse desabafo do vice-presidente Michel Temer me parece sinalizar com muita clareza aquilo que eu considero um afastamento, se não definitivo, muito próximo do definitivo do vice-presidente. Ele relata ali só ser mobilizado para apagar incêndio e que ele teria chegado ao esgotamento.”

Caráter pessoal

Em evento no Rio de Janeiro, o ministro da Saúde, Marcelo Castro, que é do PMDB, avaliou que a carta é de "caráter pessoal" e não significa um rompimento do partido com o governo.

"Eu acho que é uma carta de caráter pessoal. Ele diz isso, que foi um desabafo pessoal da relação dele com a presidenta da República. Acho que devemos nos limitar a respeitar o posicionamento dele, uma vez que só ele pode externar e só ele pode ser possuidor dessas mágoas que ele relata que as possui".

Para Castro, não há motivo para que o PMDB repense a relação com o PT. "O PMDB participa do governo, tem papel importante no governo, na execução das políticas, e não vejo nenhum fato novo, relevante, que fizesse com que o PMDB pudesse fazer uma reflexão para mudar de opinião", disse.

O ministro afirmou que se sente "absolutamente confortável" para continuar à frente da pasta. "Tenho tido todo o apoio do governo federal e da presidenta Dilma e me sinto bastante confortavel. E é assim que vamos continuar à frente do Ministério da Saúde".

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, também avalia que Temer não teve a intenção de romper com o governo ao escrever a carta. “Acho que o PMDB tem que estar unido ao lado da presidente. Nós ajudamos a eleger e agora temos que ajudar a governar. E o PMDB tem 40 a 45 deputados que estão com o governo e apenas uns 22 querem ver a divisão. A gente tem é que ter discernimento para saber o que é melhor para o país”, disse em entrevista à imprensa durante o seminário A Nova Cultura de Mediação no Brasil e a Administração Pública e Relações de Consumo, na Fundação Getulio Vargas.

"Não acho que seja uma ruptura. Acho que o vice [Michel Temer] é uma das pessoas que tem mais bom senso no país. Que viveu sua vida no Parlamento, que pacificou o partido que preside há muito tempo. Acho que uma certa hora ele vai ver que muitos dos que estão em seu ouvido soprando pela divisão, para a intriga, estão prestando um desserviço para o país”.

Pezão voltou a criticar o processo de impeachment de Dilma. “Acho que é um desserviço ao país se discutir impeachment depois de perdermos um ano desarmando uma pauta-bomba que não levou o país a nada. Ao invés de estarmos discutindo reformas política, tributária, previdência, criando um bom ambiente de negócios, estamos fomentando problemas”, disse.

* Colaborou Nielmar de Oliveira, do Rio de Janeiro
Edição: Carolina Pimentel


Abaixo, a íntegra da carta de Michel Temer a Dilma Rousseff

São Paulo, 07 de Dezembro de 2.015.

Senhora Presidente,

"Verba volant, scripta manent" [As palavras voam, os escritos permanecem]

Por isso lhe escrevo. Muito a propósito do intenso noticiário destes últimos dias e de tudo que me chega aos ouvidos das conversas no Palácio.

Esta é uma carta pessoal. É um desabafo que já deveria ter feito há muito tempo.

Desde logo lhe digo que não é preciso alardear publicamente a necessidade da minha lealdade. Tenho-a revelado ao longo destes cinco anos.

Lealdade institucional pautada pelo art. 79 da Constituição Federal. Sei quais são as funções do Vice. À minha natural discrição conectei aquela derivada daquele dispositivo constitucional.

Entretanto, sempre tive ciência da absoluta desconfiança da senhora e do seu entorno em relação a mim e ao PMDB. Desconfiança incompatível com o que fizemos para manter o apoio pessoal e partidário ao seu governo.

Basta ressaltar que na última convenção apenas 59,9% votaram pela aliança. E só o fizeram, ouso registrar, por que era eu o candidato à reeleição à Vice.

Tenho mantido a unidade do PMDB apoiando seu governo usando o prestígio político que tenho advindo da credibilidade e do respeito que granjeei no partido. Isso tudo não gerou confiança em mim, Gera desconfiança e menosprezo do governo.

Vamos aos fatos. Exemplifico alguns deles.

1. Passei os quatro primeiros anos de governo como vice decorativo. A Senhora sabe disso. Perdi todo protagonismo político que tivera no passado e que poderia ter sido usado pelo governo. Só era chamado para resolver as votações do PMDB e as crises políticas.

2. Jamais eu ou o PMDB fomos chamados para discutir formulações econômicas ou políticas do país; éramos meros acessórios, secundários, subsidiários.

3. A senhora, no segundo mandato, à última hora, não renovou o Ministério da Aviação Civil onde o Moreira Franco fez belíssimo trabalho elogiado durante a Copa do Mundo. Sabia que ele era uma indicação minha. Quis, portanto, desvalorizar-me. Cheguei a registrar este fato no dia seguinte, ao telefone.

4. No episódio Eliseu Padilha, mais recente, ele deixou o Ministério em razão de muitas "desfeitas", culminando com o que o governo fez a ele, Ministro, retirando sem nenhum aviso prévio, nome com perfil técnico que ele, Ministro da área, indicara para a ANAC. Alardeou-se a) que fora retaliação a mim; b) que ele saiu porque faz parte de uma suposta "conspiração".

5. Quando a senhora fez um apelo para que eu assumisse a coordenação política, no momento em que o governo estava muito desprestigiado, atendi e fizemos, eu e o Padilha, aprovar o ajuste fiscal. Tema difícil porque dizia respeito aos trabalhadores e aos empresários. Não titubeamos. Estava em jogo o país. Quando se aprovou o ajuste, nada mais do que fazíamos tinha sequência no governo. Os acordos assumidos no Parlamento não foram cumpridos. Realizamos mais de 60 reuniões de lideres e bancadas ao longo do tempo solicitando apoio com a nossa credibilidade. Fomos obrigados a deixar aquela coordenação.

6. De qualquer forma, sou Presidente do PMDB e a senhora resolveu ignorar-me chamando o líder Picciani e seu pai para fazer um acordo sem nenhuma comunicação ao seu Vice e Presidente do Partido. Os dois ministros, sabe a senhora, foram nomeados por ele. E a senhora não teve a menor preocupação em eliminar do governo o Deputado Edinho Araújo, deputado de São Paulo e a mim ligado.

7. Democrata que sou, converso, sim, senhora Presidente, com a oposição. Sempre o fiz, pelos 24 anos que passei no Parlamento. Aliás, a primeira medida provisória do ajuste foi aprovada graças aos 8 (oito) votos do DEM, 6 (seis) do PSB e 3 do PV, recordando que foi aprovado por apenas 22 votos. Sou criticado por isso, numa visão equivocada do nosso sistema. E não foi sem razão que em duas oportunidades ressaltei que deveríamos reunificar o país. O Palácio resolveu difundir e criticar.

8. Recordo, ainda, que a senhora, na posse, manteve reunião de duas horas com o Vice Presidente Joe Biden - com quem construí boa amizade - sem convidar-me o que gerou em seus assessores a pergunta: o que é que houve que numa reunião com o Vice Presidente dos Estados Unidos, o do Brasil não se faz presente? Antes, no episódio da "espionagem" americana, quando as conversar começaram a ser retomadas, a senhora mandava o Ministro da Justiça, para conversar com o Vice Presidente dos Estados Unidos. Tudo isso tem significado absoluta falta de confiança;

9. Mais recentemente, conversa nossa (das duas maiores autoridades do país) foi divulgada e de maneira inverídica sem nenhuma conexão com o teor da conversa.

10. Até o programa "Uma Ponte para o Futuro", aplaudido pela sociedade, cujas propostas poderiam ser utilizadas para recuperar a economia e resgatar a confiança foi tido como manobra desleal.

11. PMDB tem ciência de que o governo busca promover a sua divisão, o que já tentou no passado, sem sucesso. A senhora sabe que, como Presidente do PMDB, devo manter cauteloso silencio com o objetivo de procurar o que sempre fiz: a unidade partidária.

Passados estes momentos críticos, tenho certeza de que o País terá tranquilidade para crescer e consolidar as conquistas sociais.

Finalmente, sei que a senhora não tem confiança em mim e no PMDB, hoje, e não terá amanhã. Lamento, mas esta é a minha convicção.

Respeitosamente,

\ L TEMER

A Sua Excelência a Senhora

Doutora DILMA ROUSSEFF

DO. Presidente da República do Brasil

Palácio do Planalto

Comentários