Maragogipe: Dorme em Paz Meu São João (Por Paulo Guerreiro)


Por: Paulo Vicente Guerreiro Peixoto.

Em memória do nosso São João, o imortal São João de Maragogipe, que, infelizmente, só existe num lugar chamado saudade e que habita nossas mentes e corações:

Dorme em Paz Meu São João

"São João na terra é fogueira;
São João no céu é balão.
Dança quadrilha na poeira;
Isso é que é São João."

Foi-se no tempo o nosso São João. O São João de fogueira nas portas, tição acendendo os cambiantes nas mãos das crianças, as bombas assustando e as espadas de fogo nos fazendo correr ("bota cuspe", gritavamos nas esquinas sem parar e logo outra espada era acessa para nossa alegria, que correndo íamos a "taboca" pegar).

"Toda alegria;
Toda energia;
Toda poesia no meu coração.

Meu São João;
Meu São João.

Toda alegria;
Toda energia;
Toda poesia no meu coração."

Hoje tudo mudou, na maioria das casas já não se acendem fogueiras (a tradição acabou), hoje nas mãos das crianças vemos revólveres, fuzis, metralhadoras, acendendo o terror na cidade, nos fazendo correr e chorar de tristeza vendo pais e mães correndo nas ruas, para os corpos de seus filhos pegarem.

"Meu São João;
Meu São João.
Toda alegria no meu coração.

Vou pedir;
Ao meu São João.
Pra subir;
Com você no balão."

Nossa Maragogipe era tomada de alegria, aprontávamos quadrilhas juninas, moças e rapazes, vestindo roupa caipira (vestido de chita, calça faroeste cheia de retalhos, lenço no pescoço, chapéu de palha e, o rosto com sobrancelhas, bigode e barba ou cavanhaque pintado de carvão, não podiam faltar) e pelas ruas dançavam e cantavam para o povo alegrar "quem quer ir com a gente "vamo", quem quer ir com a gente "imbora"".

Hoje às "quadrilhas" são outras, já não cantam músicas juninas, desfilam pelas ruas de Maragogipe espalhando o pânico, o terror e o medo. E, já não saímos às ruas, batendo palmas nas portas das casas perguntando:

"São João passou por aí".

Hoje à maioria das casas ficam fechadas e, aquelas outras abertas, protegidas por grades e cadeados.

"Toda alegria;
Toda energia;
Toda poesia no meu coração.

Meu São João;
Meu São João.

Toda alegria;
Toda energia;
Toda poesia no meu coração.

Meu São João;
Meu São João.
Toda alegria no meu coração"

Não existia"Forró do Caís", a festa era por todos os bairros e zona rural ao som dos grupos de sanfoneiros, das bandinhas formadas por músicos das Filarmônicas Terpsicore Popular e da 2 de Julho, que puxavam as quadrilhas tocando músicas juninas autênticas, e, o povo, todo ia atrás.

Todos brincavam, todos se divertiam em Paz.

Fosse de "rico" ou de "pobre" , as mesas eram fartas, tinha o amendoim, o milho, a canjica, o bolo de toda espécie (de milho, de aipim, de massa ....), laranja, queijo de cuia, e, tantas outras iguarias de dar água na boca, sem falar nos licores de jenipapo e maracujá, estes não podiam faltar.

Quanta saudade de "pular fogueira para se tornar compadre e comadre", de "enfiar a faca no tronco da bananeira, de botar água na bacia para saber de um amor" e de "olhar para o céu" nas suas noites meu São João.

Antigamente eu cantava para você acordar:

"Acorda meu São João, acorda
Acorda para ver seu dia
Rua enfeitada, fogueira acesa
Quentão na mesa e muita alegria"

Hoje eu te digo, que não vale apena acordar em Maragogipe, em vista de tudo que você aqui vai encontrar, de ver o que fizeram com seu dia, o que fizeram com sua Cidade das Palmeiras.

A noite com certeza será linda, o céu estrelado deverá está, haverá namorados se divertindo, mas, as bomba estourando e os fogos queimando poderão ser aqueles que você nunca pensou escutar.

Portanto, meu São João se você preferir continuar dormindo, vou entender, não vou me zangar.

Paulo Vicente Guerreiro Peixoto.'.
01/06/2016

Um bom São João a todos.

Texto de minha autoria, com trechos " " das músicas "Meu São João" cantada por Mastruz com Leite e "São João Dormindo" de Elino Julião.

Comentários