Bahia: Exército Brasileiro realiza mapeamento cartográfico em Maragogipe

Por Zevaldo Sousa

Através de um convênio celebrado entre o Governo do Estado da Bahia, por intermédio da SEI (Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia) e o Comendo do Exército Brasileiro, por intermédio da Diretoria de Serviço Geográfico está sendo realizado em todo o território do Estado da Bahia um mapeamento sistemático nas escalas 1:25.000 (1.284 cartas topográficas) e 1:50.000 (196 cartas topográficas). Sendo executado pela 3ª DL, tem por produtos previstos ortoimagens, Modelos Digitais de Superfície (MDS) e cartas topográficas vetoriais.

A equipe responsável do exército brasileiro chegou ao município de Maragogipe nesta semana, dia 28 de novembro e segue até finalizar todo o mapeamento da região.

Segundo o 1º Tenente De Lima, que é Engenheiro Cartógrafo: "O exército está aqui realizando mapeamento da cidade e regiões adjacentes. Nosso mapeamento é feito através de imagens aéreas, tiradas a bordo de avião, e aparelhos GPS. As informações dessas fontes são incluídas em um banco de dados, que os militares levam em seus computadores para adicionar informações como nome dos locais, ruas e rios, tipo de plantio, tipo de mata natural (se é mangue, floresta e etc...), indústrias e etc.."


Todas as informações que estão sendo coletadas está relacionada na especificação técnica (ET-EDGV), que está disponibilizada no geoportal do exército:

O exército brasileiro agradece a todos as pessoas que direta ou indiretamente estão colaborando no sentido de viabilizar esta missão. "É importante nós termos acesso as propriedades, para que os mapas saiam completos.", relatou o 1º Tenente De Lima.

O mapeamento visa servir de base para a elaboração de políticas públicas de infraestrutura, socioeconômico e ambiental e dotará o estado da Bahia com as informações atualizadas sobre o território. Esses dados e informações estão sendo levantadas "in loco" e conta com a colaboração de todos os setores da sociedade: prefeituras, órgãos estaduais, empresas, ONG's e a sociedade civil.

Comentários