As polêmicas do [Pato] Donald Trump e as políticas de imigração

O presidente do Estados Unidos Donald Trump está causando polêmica atrás de polêmica nestes primeiros dias de governo. Confira algumas notícias do nosso grande Pato.


Trump aprova medidas para apertar a vigilância sobre imigrantes nos EUA
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, fez nesta sexta-feira (27) sua primeira visita ao Pentágono, sede do Departamento de Defesa norte-americano. Durante a visita, ele assinou atos executivos com o objetivo de endurecer a vigilância sobre os imigrantes e aumentar o poder militar das Forças Armadas.

Um dos atos se destina a manter "terroristas islâmicos radicais" fora dos Estados Unidos. "Nós não os queremos aqui", disse ele ao lado do vice-presidente, Mike Pence, e do secretário de Defesa, James Mattis. "Queremos garantias de que não admitiremos em nosso país as mesmas ameaças que nossos soldados estão sofrendo no exterior".

Ordem de Trump impede embarque de passageiros para os Estados Unidos
O presidente Donald Trump, além de suspender por meio de ordens executivas, nesta sexta-feira (27), a imigração de pessoas vindas de sete países com população predominantemente muçulmana, também determinou também o fechamento das fronteiras do país para a entrada de refugiados por 120 dias. O fechamento não estabelece prazo para o ingresso de refugiados que fogem dos conflitos na Síria. Nesse caso, a entrada em território norte-americano foi suspensa indefinidamente.

Além de imigrantes, que foram impedidos de viajar para nos Estados Unidos, também houve casos de refugiados barrados por funcionários da imigração em aeroportos norte-americanos. Eles tinham embarcado de seus países de origem para os de Estados Unidos antes da assinatura, pelo presidente Donald Trump, na sexta-feira, da ordem executiva que impede a entrada de refugiados.

Decisão de juíza é provisória e governo dos EUA vai continuar deportando
A decisão da Justiça americana que barrou parte do decreto do presidente Donald Trump em relação à entrada de imigrantes no país é limitada e garante apenas a permanência provisória nos Estados Unidos dos imigrantes e refugiados já detidos nos aeroportos norte-americanos. O benefício da Justiça foi dado inicialmente para dois iraquianos, barrados ao chegar em Nova York, mas é válido também para todos os passageiros detidos em aeroportos do país no sábado, por virem de países segundo o governo americano que têm laços com o terrorismo.

Trump diz que EUA precisam de fronteiras fortes e que Europa vive "bagunça"
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse hoje (29), em mensagem no Twitter, que o país precisa de fronteiras fortes e que a Europa e o mundo vivem uma "bagunça".

"Nosso país necessita de fronteiras fortes e controle extremo. Agora. Veja o que está acontecendo na Europa e no mundo - uma terrível bagunça!", disse Trump na rede social.

Protestos nos aeroportos aumentam pressão contra Donald Trump
A reação da população norte-americana, que compareceu em massa e de forma espontânea, nesse fim de semana, a vários aeroportos dos Estados Unidos para protestar contra a ordem executiva que suspendeu o programa de acolhimento de refugiados colocou o governo do presidente Donald Trump na defensiva. A medida também proibiu viagens ao país de pessoas originárias de sete países de maioria muçulmana. Trump está pressionado por um número crescente de parlamentares do Partido Republicano, agremiação partidária pela qual se elegeu, pedindo mudanças urgentes na ordem executiva.

Petição contra visita de Trump a Londres já tem mais de 1 milhão de assinaturas
A petição feita por eleitores do Reino Unido para anular a visita oficial do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump ao país já superou 1 milhão de assinaturas. A petição surgiu ainda antes de a premier britânica, Theresa May, convidar oficialmente Trump a visitar o país na semana passada, durante uma viagem a Washington. O recolhimento de assinaturas ganhou mais força neste fim de semana, quando o republicano firmou um decreto que restringe a entrada de cidadãos de sete países nos EUA. As informações são da Agência Ansa.

EUA: Organismos internacionais criticam restrições migratórias
Após um fim de semana de protestos contra as medidas migratórias adotadas pelo presidente Donald Trump, países, entidades e organismos internacionais criticaram o veto à entrada, nos Estados Unidos, de refugiados de países muçulmanos na África e no Oriente Médio.

As Nações Unidas (ONU) e a União Africana (UA) condenaram a decisão de Trump. Além disso, alguns países já estudam adotar restrições para cidadãos norte-americanos.

A presidente da União Africana, Nkosazana Dlamini-Zuma, disse hoje (30) que o mesmo país que tornou “escravos muitos africanos” decidiu agora proibir a entrada de refugiados provenientes do continente.

Durante uma reunião do organismo, Dlamini-Zuma disse que a decisão norte-americana é um dos “maiores desafios à unidade e à solidariedade”.

No sábado (28) a Agência das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) e a Organização Internacional para as Migrações (OIM) enviaram uma declaração conjunta pedindo que Donald Trump acolha os refugiados.

Canadá oferece residência temporária a refugiados barrados por Trump
O Canadá vai oferecer residência temporária às pessoas que ficarem bloqueadas no país devido à recente proibição migratória do presidente americano, Donald Trump, que bloqueou a entrada nos Estados Unidos de viajantes procedentes de sete países de maioria muçulmana, afirmou neste domingo (29) o ministro da Imigração canadense, Ahmed Hussen. As informações são da Radio France Internacionale.

Trump demite secretária de Justiça interina dos Estados Unidos
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, demitiu na noite desta segunda-feira (30) a secretária de Justiça interina dos Estados Unidos, Sally Yater. Ela foi afastada poucas horas depois de ter se pronunciado e orientado o Departamento de Justiça a não atuar em defesa das ordens executivas sobre imigrantes e refugiados, emitidas por Donald Trump.

Em um comunicado, a Casa Branca informou a demissão de Sally Yater, que ocupava o cargo interinamente e havia sido escolhida ainda na gestão de Barack Obama. A demissão segundo o governo foi pela “recusa em cumprir uma ordem designada para proteger aos cidadãos do país”.

Após medida polêmica, EUA permitem entrada de 872 refugiados
O governo do presidente Donald Trump fará uma exceção temporária da proibição da entrada de refugiados nos Estados Unidos (EUA) e irá permitir a entrada de 872 pessoas nestas condições que já estavam prontas para chegar ao país e cujo banimento causaria "dificuldades injustificáveis" para elas.

A declaração foi feita por Kevin McAleenan, responsável pelo controle das fronteiras dos EUA. Os 872 refugiados beneficiados deverão chegar ao país ainda nesta semana. As informações são da agência ANSA.

Comentários